Lula ajuda a criar um ambiente político confuso

autor Gilmar Correa

Postado em 18/05/2016 19:32:29 - 19:18:00


0

Enquanto isso, o governo tateia diante das enormes dificuldades

Continuamos num ambiente confuso no Congresso Nacional e no Palácio do Planalto que afeta a Nação. A deposição temporária da presidente Dilma Rousseff (PT) há uma semana fez um estrago monumental no PT.

E na Câmara, a ação nas sombras do deputado afastado Eduardo Cunha fez brotar um presidente em exercídio sem apoio da maioria dos pares.

Waldir Maranhão também conseguiu desagradar a gregos e a troianos. Assim, a Câmara Baixa patina sem ter uma saída até este momento.

Nem mesmo Lula da Silva, que estaria em crise, quer discutir novos caminhos para o seu próprio partido. Sem Lula, o PT resume a sua participação na política nacional a uma agremiação de terceiro time.

O ex-presidente é, e continuará sendo a grande esperança petista.

A presidente afastada não foi e jamais vai liderar a tropa, pois nunca chegou a este grau de importância. Sem o cargo, sua influência será cada vez menor à medida que os dias passam.

Cabe aos moicanos petistas e comunistas aguerridos a oposição sistemática. Ao ataque ao governo provisório, forçado a trabalhar muito para garantir um mínimo de credibilidade e confiança.

Nos primeiros dias o governo faz um esforço para parecer eficiente, mas sabemos que só a prática diária é que permitirá a recuperação da renda, da criação de postos de trabalho, do desenvolvimento e por fim da garantia social.

Por enquanto ainda tateia diante das enormes dificuldades e neste clima, nem sempre uma fala, uma entrevista ou uma declaração é bem compreendida.

Foi assim com o SUS, com o Minha Casa e Minha Vida, e Bolsa Família para citar alguns “deslizes” temporais.

O jeito é esperar, porque ainda continuamos sem ver o futuro no dia seguinte


Rollemberg diz que não há decisão sobre ampliação do racionamento
Mensagem emocionante de quem construiu o Congresso
veja +
Parlamentares defendem ações e investimentos para a primeira infância
Para Perondi, governo enfrenta poderoso nicho de fiscais e Ministério Público do Trabalho
Eunício explica porque não leu o Projeto de Decreto do Trabalho Escravo
veja +