Lula vai aos bolsões do Nordeste para capitalizar popularidade

autor Gilmar Correa

Postado em 21/07/2016 09:07:03 - 08:48:00


Material promocional de Lula elaborado pelo seu instituto/Reprodução

Devaneios sobre a realidade faz melhorar a popularidade do ex-presidente que está em campanha

O ex-presidente Lula da Silva trabalha com a única fórmula que conhece para sobreviver diante deste caos político, boa parte criado pelo desgoverno do PT.  Há meses decidiu investir nos bolsões de pobreza do Nordeste para fazer reverter uma tendência de queda de sua popularidade.

Em campanha aberta para a presidência da República (que a justiça eleitoral fecha os olhos). Lula da Silva faz proselitismo barato para reconquistar as massas. E os primeiros resultados podem ser vistos nas pesquisas eleitorais, muito comuns neste período de pré-campanha municipal.

A mais significativa e que foi publicada pela Folha, mostra que o ex-presidente tem um crescimento vertiginoso entre os eleitores da região. Assim, navega num discurso populista que lhe dá espaço na mídia tradicional que ele tanto critica.

Lula da Silva também usa muito bem as redes sociais com seus milhares de seguidores, que é um esquema de divulgação organizado. O Instituto Lula, que faz a campanha eleitoral de Lula, tem 119 mil seguidores no Twitter que replicam os cards promocionais do chefe petista.

Aqui abre-se um parêntese – o PT sabe muito bem usar a estrutura de comunicação a seu favor. Sempre soube.

O ex-presidente percebeu há algum tempo que a fatura da sua pupila política, Dilma Rousseff, foi para o brejo. Assim, inverte o processo com sua própria figura carismática que destila mentiras para devaneio dos ignorantes. E esta atitude pode salvar algum patrimônio político para o restante dos companheiros.

Salve-se quem puder. A política realmente está cada vez pior.


Rollemberg diz que não há decisão sobre ampliação do racionamento
Mensagem emocionante de quem construiu o Congresso
veja +
Parlamentares defendem ações e investimentos para a primeira infância
Para Perondi, governo enfrenta poderoso nicho de fiscais e Ministério Público do Trabalho
Eunício explica porque não leu o Projeto de Decreto do Trabalho Escravo
veja +