Nova forma de composição do STF

autor Galba Velloso

Postado em 26/03/2018 07:34:42 - 07:22:00


Os ministros do STF estão perdendo o respeito da nação brasileira/Arquivo/Divulgação

Responsabilidade é dos protagonistas que não conseguem atingir o nível esperado pelo País

O país se encantou com a postura e a compostura dos juízes do TRF4, que aoconfirmarem e acrescerem a sentença de 1ª. Instância contra Lula da Silva, fizeram-no com uma elegância impecável, cada um proferindo seu voto de forma clara, educada e firme, por vezes com fundamentos diferentes, mas sempre de natureza jurídica e nunca por motivos pessoais ou com qualquer conotação política, por mais tênue que fosse. 

Contemplando-os, eu como muitos outros não pudemos deixar de concluir: este é o Supremo! 

Pois na verdade, no outro, o verdadeiro STF, o estrelismo, as contendas e eventuais tendências partidárias têm tirado da Corte a grandeza que ela sempre teve e que atingiu seu ápice quando do julgamento da Ação Penal 470, o chamado Mensalão, ainda por volta de 2005. 

A transparência ensejada pela providencial transmissão televisiva, revelando aspectos que não conhecíamos, tem retirado a magia que sempre cercou a instituição

O Executivo esteve sempre exposto. O Congresso sofreu pesadamente com a transmissão de suas sessões. E agora o STF mostra que há necessidade de reformular a maneira de sua composição. 

Claro é que a culpa não é das transmissões, que são benvindas e devem estar imunes a qualquer censura, que seria o pior dos males. 

A responsabilidade é dos protagonistas que não conseguem atingir o nível esperado pelo País e nem sequer disfarçar as verdadeiras características de suas personalidades

Temos, portanto, diante de nós a verdade. 

E o que ela traz de mais chocante é que não está se discutindo a manutenção da possibilidade de prisão depois de confirmada em colegiado a sentença condenatória de primeiro grau. 

O que se está discutindo é se um determinado réu é igual aos outros ou não, ou  seja, debatendo se deve ser preso como os outros ou adotada uma solução ad hoc, específica para este caso. 

Isto é uma afronta à Nação. 

Como também o é o adiamento da decisão por conveniência de ministros, contra a expectativa da maioria esmagadora dos cidadãos. 

Constrangedores também os debates pessoais, alguns pelas colocações rudes, outros que sem embargo da elegância na forma, cortam como raio laser não apenas o juiz oponente, mas também os ouvidos da população. 

Não vale mais a pena colar-se à televisão para acompanhar palavra por palavra os debates do processo. 

É melhor simplesmente ouvir o resultado final no noticiário da noite. 

O STF perdeu a audiência do povo, porque perdeu a grandeza dos debates. 

Quando isso ocorre, percebe-se que a missão do STF é da maior importância, mas para conduzi-la não se pode mais deixar exclusivamente ao presidente da República que esteja de plantão e, agora, até acuado por denúncias, a prerrogativa de escolher sozinho o ocupante de um dos mais respeitados cargos da história republicana. 

Os magistrados de carreira, os procuradores da República e a OAB devem ter voz e apresentar lista para que dela saia alguém que expresse o sentimento brasileiro e não o capricho solitário de um Presidente da República, mantendo-se ainda, como é claro, o princípio da aprovação pelo Senado Federal.


O brasileiro é criativo - Despacito no ritmo e versão do vendedor de bom bom
Deputado ataca Ciro e classifica o pré-candidato de racista e caloteiro
veja +
Aprovada reserva de vagas em universidades públicas para alunos bolsistas de escolas beneficentes
CCJ aprova doação de blindados do Exército brasileiro ao Uruguai
Projetos culturais do Distrito Federal recebem recursos
veja +