Uma reflexão sobre esporte e política

autor André Pereira Cesar

Postado em 20/07/2016 12:10:23 - 12:05:00


Tocha Olímpica passa por Pato Branco (PR)/Francisco Medeiros/ME

Das disputas políticas muito se viu nessa seara desde os jogos modernos até as Olimpíadas do Rio

Assuntos aparentemente distintos, o esporte e a política caminham juntos em diversos momentos da história. Às vésperas do início dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, é importante refletir sobre o significado dessa instigante simbiose.

Em diferentes momentos do século XX encontram-se registros dessa relação. Momentos clássicos não faltam. O marco inicial talvez esteja nas Olimpíadas de Berlim, em 1936, quando o norte-americano Jesse Owens derrotou o então “imbatível” povo ariano e levou Hitler a se retirar do estádio, furioso.

O movimento em defesa dos direitos civis dos negros também marcou presença na história olímpica. Durante os Jogos da Cidade do México, em 1968, dois atletas norte-americanos, Tommie Smith e John Carlos, fizeram a saudação dos Panteras Negras ao receberem suas medalhas. Ambos foram punidos pelo gesto, mas a imagem é das mais icônicas da segunda metade do século passado – e o recado estava dado.

A Guerra Fria igualmente frequentou os estádios e arenas do planeta. Em 1980, os Estados Unidos e seus aliados boicotaram os Jogos de Moscou como forma de protesto contra a invasão soviética ao Afeganistão. Quatro anos depois, receberam o troco em Los Angeles. Nesse caso, o esporte foi o grande derrotado, pois as duas superpotências eram as principais rivais na disputa pelas medalhas.

Um ponto de inflexão deu-se nos Jogos de Munique, em 1972. Enquanto Mark Spitz brilhava nas piscinas, o então desconhecido grupo terrorista Setembro Negro invadia a residência olímpica de Israel. O saldo final foi de dezessete mortos, entre eles onze atletas israelenses. A partir de então, a questão da segurança entrou na agenda dos grandes eventos, não apenas esportivos. Em tempos de Estado Islâmico e de terrorismo disseminado pelos quatro cantos do mundo, as autoridades dedicam especial atenção ao tema no Rio de Janeiro.

Por último, o futebol é repleto de manifestações de grande caráter simbólico. Das disputas políticas entre o Real Madri do general Franco contra o Barcelona ao regime militar brasileiro pegando carona na vitória da Copa do Mundo de 1970, muito se viu nessa seara. Em termos de beleza e emoção, talvez nada se compare ao “jogo da paz”, Irã vesus Estados Unidos, na Copa da França, uma grande mensagem de compreensão e respeito para toda a humanidade.

A política estraga o esporte? Em determinados momentos sim, mas nem sempre. Em eventos de massa, com as atenções de todos voltadas para as disputas nas arenas, as manifestações de cunho político podem ganhar força. O exemplo de Nelson Mandela, que usou o rugby para unir sua África do Sul, deve orientar os corações e mentes. Que assim seja no Rio de Janeiro.


AO VIVO - II Congresso de Direito Eleitoral de Brasília
O brasileiro é criativo - Despacito no ritmo e versão do vendedor de bom bom
veja +
Aprovada reserva de vagas em universidades públicas para alunos bolsistas de escolas beneficentes
CCJ aprova doação de blindados do Exército brasileiro ao Uruguai
Projetos culturais do Distrito Federal recebem recursos
veja +