Marielle e a Multidão

autor Maya Félix

Postado em 16/03/2018 07:42:07 - 07:32:00


Multidão no Rio de Janeiro protestou contra a morte de Marielle e a violência/Guilherme Prado/PSol

Recebemos uma herança sangrenta, um país quebrado, quase todo dominado pelo narcotráfico

Eu estou indignada com o assassinato da vereadora Marielle, no Rio de Janeiro.  Todo atentado à vida é um insulto à humanidade. É de se lamentar que mais um ser humano se vá na violência hemorrágica do Rio. Não por ser negra, não por ser mulher, não por ser jovem. Acaso fosse branco, homem e velho, seria menos lamentável? Morreria pela metade? Toda vida é um milagre.

Hoje vi, na televisão, o jornal. E me dei conta de que algumas mortes parecem ser mais importantes que outras. No dia dois de fevereiro de 2018, o Jornal do Brasil noticiou que o Rio já havia registrado 16 policiais mortos e 34 feridos neste ano. O site G1 diz que desde o início de 2018, no Rio, a cada 54 horas um policial é assassinado. No dia três de fevereiro, o site IG noticiou que “Rio tem ao menos sete mortos e oito feridos em tiroteios em menos de 24 horas”.

Eu poderia ainda noticiar muitos outros casos de violência com mortes. Desde que o ano começou, o Rio tem sido difícil. O Brasil. Recebemos uma herança sangrenta, um país quebrado, quase todo dominado pelo narcotráfico e pelo crime organizado.

De norte a sul, a violência banalizou-se. Mas, pela primeira vez, vi uma grande manifestação contra um assassinato na cidade do Rio de Janeiro.  E é aí que eu não consigo me calar.

A indignação não pode ser seletiva. Deveria haver uma manifestação a cada policial militar morto pelo tráfico. Cada criança assassinada por bala perdida deveria encontrar um ator global que lhe fosse, ainda que na morte, solidário.

O cidadão comum, o pobre coitado que estava voltando do trabalho: em seus enterros, atos públicos. Mesmo o político do partido careta. O político reaça.

Cada um deveria receber do povo a solidariedade que Marielle recebeu hoje. Está tudo certo, vamos protestar contra o desmonte do estado fluminense. O tráfico, a milícia, a ausência de comando. Mas não sejamos seletivos.

Não dói só no PSOL. Não morreu Marielle apenas. Vamos chorar por todos.


O brasileiro é criativo - Despacito no ritmo e versão do vendedor de bom bom
Deputado ataca Ciro e classifica o pré-candidato de racista e caloteiro
veja +
Aprovada reserva de vagas em universidades públicas para alunos bolsistas de escolas beneficentes
CCJ aprova doação de blindados do Exército brasileiro ao Uruguai
Projetos culturais do Distrito Federal recebem recursos
veja +