Joaquim Barbosa, um nome para o Brasil

autor Galba Velloso

Postado em 26/02/2018 08:26:48 - 08:13:00


Joaquim barbosa quando ainda exercia o cargo de ministro do Supremo/Arquivo/STF

De maneira geral os presidenciáveis têm o perfil apenas de candidato, mas não de presidente

As próximas eleições não poderão ser mornas, em face da angústia e sofrimento real do povo brasileiro

"Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; oxalá foras frio ou quente!  Assim, porque és morno, e não és quente nem frio, vomitar-te-ei da minha boca”. (Bíblia, Provérbios

Não se trata, no entanto, de incendiar o país, mas de soprar a centelha do civismo nacional, de falar a corações e mentes, de uma forma que desperte a imaginação, o entusiasmo e a fé dos cidadãos ora tão cabisbaixos. 

Não ser morno não significa, tampouco, dar vez a candidaturas aventureiras ou requentadas, categóricas nas palavras, mas sem capacidade de repercutir na massa do eleitorado

Até porque, como assinalava o padre Antônio Vieira, as palavras entram pelos ouvidos e as obras entram pelos olhos, e a nossa alma se rende muito mais pelos olhos que pelos ouvidos. 

É preciso alguém cujo nome e obra falem por si mesmos e independam de argumentação e publicidade para obter significativa aceitação, automática diante de um carimbo de austeridade

Dentre os muitos postulantes já conhecidos, certo que quase todos têm o status necessário para uma candidatura. Mas de maneira geral e salvo uma ou duas exceções, têm o perfil apenas de candidato, mas não de presidente. 

Alguns que o possuíam, destruíram-no. Outros que buscam tê-lo de forma inflamada, em lugar de o conseguir acabam assustando e amedrontando. 

Os brasileiros querem justiça firme para todos os aventureiros e saqueadores que os assolam. 

Mas a sabedoria e o instinto do povo alertam para o fato de que não é adequado para aplicar a lei quem no exercício do mandato se torne uma ameaça não apenas para os maus, mas para todos. 

A caça que se deseja é aos malfeitores. Ninguém deseja uma caça às bruxas ou um macarthismo que passe a ver culpados em cada oponente ou até em uma simples opinião divergente. 

Na procura por alguém assim dotado para aplicar a lei sem partir para as injustiças, como adverte o brocardo summus jus summa injuria - excesso de direito, excesso de injustiça – o nome de Joaquim Barbosa, respaldado pelo que já fez e não pelo que promete, pode ser o que expresse a indignação nacional sem chegar ao extremo de passar a se constituir em um novo mal. 

Não se sabe sequer se ele será candidato. Mas se for será um achado alvissareiro nesta busca nacional por um Presidente. 

É inédito que um ministro da Suprema Corte atinja uma repercussão que chegou ao ponto de constituí-lo em respeitoso e afetivo tema da grande festa popular, o carnaval de alguns anos atrás. 

Certamente ele não prosseguirá com o presidencialismo de coalisão, nome do balcão de negócios que ele já puniu e irá fechar. 

Não será uma convivência fácil nem para ele nem para o Congresso. Mas se o parlamento não suportar um governo honrado, provocará uma solução extra constitucional. 

Barbosa não é frio nem morno, irradia o calor da indignação. 

Mas não o faz pela demagogia histérica, e sim pelo trabalho diligente e firme, que não lhe prejudica a serenidade exigida pela Suprema Magistratura. 

Joaquim Barbosa pode ser o nome para o Brasil.


AO VIVO - II Congresso de Direito Eleitoral de Brasília
O brasileiro é criativo - Despacito no ritmo e versão do vendedor de bom bom
veja +
Aprovada reserva de vagas em universidades públicas para alunos bolsistas de escolas beneficentes
CCJ aprova doação de blindados do Exército brasileiro ao Uruguai
Projetos culturais do Distrito Federal recebem recursos
veja +