Milho Verde

autor Vitória Colvara

Postado em 19/02/2018 16:00:06 - 15:55:00


Nem sacolas, nem pratinho de plástico para saborear uma espiga de milho/Arquivo/Dicas

Tem no sabugo o seu apoio que serve de prato e guardanapo e, por isso, dispensa acessórios

São Paulo. Onze da noite. Praça Roosevelt. Saída do Teatro Satyros. Cheiro de pipoca é melhor do que pipoca. E cheiro de milho cozido também.

- Moço, me vê um milho dos grandes, por favor.

Distraída com o reconhecimento da área, observando tudo e todos ao meu redor, não me dei conta de que ele já estava com a faca em ação, arrancando num só golpe toda a minha expectativa de segurar o milho com as mãos e ir mordendo aos poucos, me deliciando devagar. Quase não acreditei. Tamanha foi a minha surpresa que não me contive e gritei:

- Homem, pelo amor de Deus, o que é que você está fazendo?

- Estou colocando no pratinho pra ficar mais fácil pra comer, moça.

Mais fácil? Pensei eu. Como assim mais fácil? O milho possui um formato anatômico e ideal que se encaixa em qualquer boca, independente da idade. Tem no sabugo da espiga o seu apoio que serve também de prato e guardanapo. Me senti violada por aquele pratinho plástico acompanhado de uma colherzinha amarela. Tarde demais.

Não teria como desfazer o ocorrido, algo que no direito ambiental chamamos de dano irreversível. Mas eu também não poderia simplesmente ir embora assim, como se nada tivesse acontecido. Lembrei dos livros de economia que li, e em tom muito amigável falei que ao oferecer o milho no pratinho de plástico ele estava não só atentando contra o meio ambiente, bem como desperdiçando o seu rico dinheirinho e boa parte do seu tempo tendo de ir comprar aquela “plasticada” toda. Ao que ele docemente respondeu:

- Sabe minha filha, eu acho que você está certa mesmo. Lá em casa ninguém come milho fora do caroço não. A gente só tira se for pra fazer pamonha, curau. Mas aqui, na rua, a gente tem que agradar a clientela e pra eles, o sabugo verde é sujo e o prato branco é limpo.

Quis dar prosseguimento à prosa, mas preferi apressar o passo, pelos tantos alertas de perigos, embora eu não seja lá de ter medo de estar a qualquer hora em qualquer lugar. Sempre me sinto segura, não sei é motivo de doença ou se já se trata da cura.

A fala dele fez total sentido para mim. Nós temos verdadeira obsessão pelo branco enquanto sinal de limpeza. Papel higiênico então, até parece que vai ser utilizado pela mais alta nobreza.

Nessa ânsia pelo claro, extrapolamos no uso de alvejantes, embranquecendo até mesmo os coloridos recifes de corais, por excesso de protetor solar e deficiência de sais minerais. Quanto mais branco melhor, e dá-lhe aditivos químicos. O indestrutível copo de alumínio é brega, preferimos o de acrílico. Filtro de barro nem pensar, melhor o Europa, é mais chic. Branco é chic, é caro, é fino. E mata os peixes, mata as aves, contamina os rios.

Nós não precisamos de tantas embalagens, de sacolas para mais sacolas, de copinhos descartáveis para receber os amigos em casa ou beber água no trabalho. Somos todos responsáveis pela quantidade escatológica de resíduos que geramos e está em nossas mãos a possibilidade de amenizar nossos impactos nesse Planeta Água em que vivemos, nosso lugar comum. Vamos refletir?


AO VIVO - II Congresso de Direito Eleitoral de Brasília
O brasileiro é criativo - Despacito no ritmo e versão do vendedor de bom bom
veja +
Aprovada reserva de vagas em universidades públicas para alunos bolsistas de escolas beneficentes
CCJ aprova doação de blindados do Exército brasileiro ao Uruguai
Projetos culturais do Distrito Federal recebem recursos
veja +