Pezão e Marcelo ausentes

autor Maya Félix

Postado em 14/02/2018 08:20:46 - 07:58:00


Beija-Flor desfilou com críticas à desigualdade e contra a corrupção/Arquivo/Reprodução Vídeo

O primeiro foi para Piraí, no interior do estado, enquanto Crivella foi para a Alemanha

Prometi a mim mesma que não ia opinar a este respeito, mas eis-me aqui já elaborando minhas ideias acerca do tema. Não consigo, simplesmente, fazer cara de paisagem. Acompanho a avalanche (não é apenas uma “onda” serelepe, já saiu do controle há muito) de violência que se abate sobre o Rio de Janeiro e adjacências – minha bela Niterói, onde fiz meu doutorado, e outras.

Estou tristíssima por ver até onde chega o poder do tráfico, do armamento ilegal, da falta de armamento legal ao cidadão desamparado, do bom treinamento e dos equipamentos devidos à polícia além de um verdadeiro plano de segurança pública. Entra governador, sai governador, o que há são medidas paliativas. E a guarda municipal? Como atua para prevenir a absurda violência que hoje presenciamos?

Neste ano, durante o Carnaval, o governador Luiz Fernando Pezão e o prefeito Marcelo Crivella se ausentaram da capital do estado do Rio de Janeiro e viajaram. O primeiro foi para Piraí, no interior do estado, enquanto Crivella foi para a Alemanha.

Caso a cidade estivesse sem nenhum problema, sem crianças morrendo, turistas sendo roubados, moradores da própria cidade sendo assaltados e bandidos praticamente mandando em favelas inteiras, oprimindo populações, definindo rotinas e subjugando a própria polícia, não haveria, a princípio, nenhum problema nas viagens dos políticos. Mas não é o caso. Eles se ausentam e deixam a capital em estado de terra arrasada. Logo eles, que foram eleitos para liderar, proteger e honrar – não apenas administrar.

Vou costurar hipóteses para essas ausências. Apenas hipóteses. O fato de Crivella ser evangélico não deveria afastá-lo da cidade nos dias de Carnaval: pelo contrário. Diz a Bíblia: Filhinhos, sois de Deus, e já os tendes vencido; porque maior é o que está em vós do que o que está no mundo (1 João 4:4). Ou seja, Deus não nos deu (a nós, que conhecemos seu nome) um espírito de covardia, mas de poder, de amor e de equilíbrio, para que ele, como prefeito, ajude o povo que o elegeu, mas também o que não o elegeu, pois é prefeito de todos, e não apenas dos evangélicos. Todos pagam impostos, todos padecem com a violência. Todos merecem um trabalho digno e honrado de sua parte.

Quanto a Pezão, eu me pergunto por que ainda não renunciou. Era vice de Sérgio Cabral. Quanto teve de participação nos desmandos de seu cabeça de chapa? Por outro lado, é preciso reconhecer que a doença do qual foi recentemente acometido o abateu e o deixou sem forças. Mais um motivo para pensar em entregar o Rio de Janeiro em mãos mais dispostas. A ausência e o abandono constantes não são uma opção.


Guga Kuerten diz que cortar dinheiro do esporte das crianças é ato de desespero
Forró e festa junina no gabinete do vice-presidente da Câmara
veja +
Comissão aprova criação de creches para filhos de agentes de segurança pública
Especialistas sugerem contratação de mais aprendizes pelo poder público
Aplicativo Sine Fácil ajuda 2,7 desempregados no Distrito Federal
veja +