O Carnaval do Brasil

autor Maya Félix

Postado em 10/02/2018 09:07:14 - 08:56:00


Acadêmicos do Tucuruvi desfila na passarela na sexta-feira à Noite/Divulgação/Liga

E, que maravilha, o Carnaval continua, impávido, desafiando todas as leis da sanidade e da ética

Estamos cansados de saber que brasileiro não desiste nunca. O Brasil está afundando do Oiapoque ao Chuí, não há segurança nem infraestrutura, mas olha aí que beleza, o Carnaval só cresce. No Rio de Janeiro, agora é moda criança encontrar bala perdida. Criaram até um funk – esse estilo erudito, quase barroco, da cultura nacional – para isso, que singelamente nos pergunta que tiro foi esse.

E, que maravilha, o Carnaval continua, impávido, desafiando todas as leis da sanidade mental e da ética nacional. Aliás, para que ética, se o ex-preso foi com a mulher ao salão de beleza? Ética zero, moral 10, nota 5, passou na média. Como é singelo um homem que acompanha a mulher no salão de beleza. Nem Sérgio Moro.

Alguém aí está preocupado com o Supremo? Se vai soltar, se vai manter, se vai sei lá o quê? É claro que não. Se temos o BBB, quem ousa se importar com o STF? STF solta, Gilmar solta, Lewandowski solta, porque neste país o dinheiro corre solto e ninguém está nem aí se veio do salário, do imposto, da taxa, do tributo. Até porque pra tudo isso existe remédio: uma sonegadinha aqui, uma nota fiscal a menos ali, ninguém vai ver e... Nada melhor que um funk exaltando um bumbum protagonista para nos fazer lembrar que Câmara e Senado Federal, diariamente, gastam 28 milhões de reais por dia aos brasileiros. É pouco?

Opa, é verdade que o pais já foi mais exigente no quesito musicalidade, mas, e daí? A indústria se impõe e impõe cada coisa de fazer tremer no túmulo Renato Russo e Cazuza. Pabllo Vittar jamais vai gritar a plenos pulmões “Que país é este?”, não é? É conveniente e rebola. Jojo Toddynho, Anitta, Simone e Simaria... Quem ousaria dizer ao Brasil: “Mostra a tua cara!”. Na verdade, dane-se a música.

Chegamos a 2018 sem dinheiro, governados por uma casta de políticos indiferentes ao Brasil real mas cheios de penduricalhos – alguns com malas, também! – sem esgoto, sem estradas decentes, sem educação que preste, hospitais lotados, tráfico de drogas dominando todas as cenas e violência nas alturas mas, o que importa?

Nós temos Carnaval! Só pra quem pode pagar, é claro. Quem não pode se arrisca a encontrar uma bala perdida de brinde. Opa! Que tiro foi esse?


Guga Kuerten diz que cortar dinheiro do esporte das crianças é ato de desespero
Forró e festa junina no gabinete do vice-presidente da Câmara
veja +
Comissão aprova criação de creches para filhos de agentes de segurança pública
Especialistas sugerem contratação de mais aprendizes pelo poder público
Aplicativo Sine Fácil ajuda 2,7 desempregados no Distrito Federal
veja +