A ascensão de Bolsonaro

autor Galba Velloso

Postado em 29/01/2018 07:46:01 - 07:39:00


Bolsonaro seria a opção para incontáveis leitores uma opção/Arquivo

E o Padre Antônio Vieira destacava que o êxito do orador depende do tema que trata

Já se disse que existe em política “Sua Excelência o Fato”, com o qual não se pode brigar.

Independentemente de opiniões quanto ao mérito do fenômeno, mas atendo-nos ao processo e seus personagens, o candidato e o povo, cumpre reconhecer que sem embargo do silêncio da mídia, a ascensão de Jair Bolsonaro tem sido impressivamente divulgada por sua própria autora, a população, individualmente, em grupos, pela internet e em manifestações de possibilidade até há pouco não suspeitada. 

Capitão, meu Capitão, é uma tendência que se constata a cada instante e de origens diversificadas, como se a população, que até há pouco não sabia em quem votar, tivesse enfim encontrado, por enquanto e para incontáveis eleitores, uma opção. 

Detendo-se na análise do que se poderia chamar, em sentido amplo, de afinidades eletivas, e no caso também eleitorais, surge a hipótese de que o fenômeno não resulta apenas do fato de que Bolsonaro diz o que o povo sente, mas também da constatação de que Bolsonaro capta o que o povo diz. 

É o círculo de influência virtuosa para uns e viciosa para outros, pelo qual o orador influencia o público e este influencia o orador. 

Há de se considerar também que após tantos anos em que a política se caracterizou por discursos bons e ações más, os primeiros enfeitados pelas borboletas dos adjetivos e advérbios e as últimas apresentadas com a crueza sem disfarces de sua iniquidade, o discurso que não é militarista, mas de um militar acostumado à objetividade das Ordens do Dia, fala mais diretamente à indignação presente e ilimitada do povo. 

Freud assinalava que a multidão tem um senso de exigência moral elevado e o ânimo reforçado quando a ação tem a iniciativa de muitos, o que lhe aumenta a disposição renovadora e categórica. 

E o Padre Antônio Vieira destacava que o êxito do orador depende do tema que trata, do estilo que segue, do tom com que fala e da autoridade que tem. 

Para um candidato de formação militar, não pode haver receita melhor. 

Ele não palestra; faz. Não declama; comanda. Não teoriza; intervém de pronto. 

“Avante!” é um posicionamento claro que fala mais do que um elaborado raciocínio. 

Melhor ainda quando o Comandante comanda o que seus comandados desejam que comande. 

E é quase uma situação ideal quando a comparação entre essas características e a dos demais possíveis postulantes resulta em constatar a falta de atualidade destes últimos. 

No momento, Bolsonaro está forte, embora deva atentar para os ensinamentos de Magalhães Pinto, de que a política é como as nuvens, mudam de posição a cada instante. 

Mas as nuvens ainda não chegaram e podem não chegar para prejudicá-lo. 

Quando se ouve a seu favor até a voz da Universidade pelos seus estudantes, é preciso meditar para o fato de que ele conseguiu até agora estabelecer uma forte linha de afinidade com grande parcela do País, que não deseja apenas uma solução clássica, mas inovadora e exemplar. 

Enquanto isso, em outras plagas, Lula prossegue inelegível e incorrigível, acrescentando ao quadro político uma frustrada tentativa de suspense, como se pudesse sustentar até à véspera do pleito a possibilidade já morta da sua candidatura definitivamente afastada.


Índio da Costa diz que é candidato ao governo do RJ "de qualquer jeito"
Presidente do PT vai à TV Al Jazira e cutuca Israel em defesa de Lula
veja +
Represente do CIMI fala sobre a pauta indígena no Congresso Nacional
Entidades defendem "10 medidas de combate à corrupção"
Conta de luz vai aumentar com venda da Eletrobras, dizem especialistas convidados pela oposição
veja +