O efeito da condenação de Lula

autor Gilmar Correa

Postado em 24/01/2018 18:29:41 - 18:24:00


Lula da Silva perde força política com a confirmação da condenação/Divulgação

Políticos começam a refazer as contas, pois o ex-presidente virou um “ficha suja” para as eleições

A bolsa de valores marcou mais um recorde nesta tarde ao chegar a 83,6 mil pontos. Foi o efeito da rejeição do recurso da defesa do ex-presidente Lula da Silva. É verdade que o Ibovespa vem apresentando pontuações históricas nos últimos dias, mas o julgamento no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, turbinou as negociações do mercado que já previa uma derrota por 2 a 1 ou mesmo 3 a zero, como aconteceu.

O mercado e muitos especialistas só não imaginavam que a pena do ex-presidente - que fez um discurso atacando segmentos da sociedade na noite que antecedeu ao julgamento -, seria potencializada em mais três anos. Depois de quase dez horas de julgamento, os três desembargadores concordaram, por unanimidade, aumentar a pena de Lula da Silva a 12 anos e um mês.

Não foi a primeira vez que a 8ª. Vara Criminal Federal reformulou para mais as sentenças do juiz federal Sérgio Moro, de Curitiba. Pelo histórico apresentado em mais de duas dezenas de julgamentos, os réus receberam a notícia de que o tempo a ser cumprido na cadeia ou em liberdade seria maior.

A condenação de Lula da Silva, que passa a ser um “ficha suja”, não terá apenas a consequência nos números positivos da bolsa de valores.

A partir desta noite, muitos cálculos começam a ser feitos para as eleições de outubro à Presidência da República e para os demais cargos em disputa nos estados, como para governador. Lula como candidato é uma coisa e sem estar no embate direto a realidade é outra. O maior líder político e populista desde Getúlio Vargas terá, seguramente, um peso menor no pleito geral.

E, por consequência, as alianças passam a ter uma outra direção e mesmo adversários do PT, como o deputado Jair Bolsonaro, vão sofrer as consequências - como analisa o cientista político e colaborador do Misto Brasília, André Pereira César. Sem Lula, o discurso contrário de Bolsonaro perde valor. Assim, abre-se a oportunidade para novos candidatos e outras ideias na disputa pelos votos.

Nesta tarde, ainda com o julgamento do TRF4 acontecendo, o senador Cristovam Buarque (PPS-DF) questionava o que poderia acontecer com o país com a ratificação da condenação de Lula da Silva. Internautas responderam ao senador que o país poderia ser passado a limpo, assim como a política partidária e seus jogadores dispensados sem muita cerimônia.

Ainda é cedo para prever acontecimentos, mas o que está pontuado é o enfraquecimento do discurso do PT, que vive uma divergência entre alas moderadas e agressivas, como a da presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR). Agora, é acompanhar se as suas ameaças de “matar ou morrer” – expressas na rede social – terão alguma consequência.


Índio da Costa diz que é candidato ao governo do RJ "de qualquer jeito"
Presidente do PT vai à TV Al Jazira e cutuca Israel em defesa de Lula
veja +
Represente do CIMI fala sobre a pauta indígena no Congresso Nacional
Entidades defendem "10 medidas de combate à corrupção"
Conta de luz vai aumentar com venda da Eletrobras, dizem especialistas convidados pela oposição
veja +