Temer e a quebra da norma de ouro

autor Galba Velloso

Postado em 14/01/2018 21:59:36 - 21:47:00


Temer com assessores e ministros na caminhada de domingo/Divulgação/PR

O que ocorre no País é exatamente o contrário, com um presidente a quem o fracasso subiu à cabeça

Não foi apenas a agência Standard&Poors que rebaixou a nota atribuída, para dizer a verdade, não ao Brasil, mas ao seu governo. O próprio povo brasileiro já o vem fazendo há muito tempo em relação aos índices morais que a administração atual perdeu e tão importantes quanto os indicadores econômicos.

Não há prosperidade sem moralidade, pode no máximo haver saque, botim, mistificação, estelionato e engodo.

O Brasil não precisa de mais leis, já as tem em profusão. Precisa, isto sim, de agentes que as apliquem e imponham, simplesmente, já que as leis não precisam de advérbio de modo para indicar sua aplicação rigorosamente ou suavemente – simplesmente se aplicam, basta isso.

O que ocorre no País é exatamente o contrário, com um presidente a quem o fracasso subiu à cabeça.

Não satisfeito com o gigantesco insucesso de sua administração até aqui, continuação do desastre que endossou em dois mandatos como vice-presidente da República, Temer faz circular no lodo e miasmas dos bastidores e do submundo a notícia de que pretende se reeleger presidente.

E coerente com o nível da sua administração ensaia quebrar a norma de ouro da política econômica e fiscal, para poder impunemente gastar mais do que arrecada, ou seja, fazer sem ser castigado a mesma coisa que fez sua antecessora, que ele ajudou a derrubar com fundamento no mesmo ilícito que agora deseja praticar, como se legítimo fosse.

Ou seja, o governo se supera a cada dia na demonstração da moralidade que lhe falta, como se bueiros tivessem arrancada a sua tampa e deles jorrasse o que pode haver de condenável, de fétido e putrefato.

Mas não se pode subestimar este inimigo presidencial apenas porque somos contra ele.

Um homem que já conseguiu manipular o judiciário e comprar o parlamento, certamente não terá limites para obter um novo mandato, como não teve limites para conservar o atual.

Acenando com as reformas conta com todo o dinheiro do Mercado, sobretudo da Avenida Paulista, além dos poderes inerentes à Presidência da República, que administra orçamento superior a um trilhão de reais, além de milhares de cargos e repartições espalhados por todo o País, que não hesitará em usar na barganha eleitoral.

Não se esqueça, ademais, que o partido controlado por Temer e por ele presidido até há pouco é aquele que detém maior número de diretórios em todo o País, uma capilaridade que dará cabos eleitorais em cada cidade ou povoado.

Felizmente, esqueceram-se de combinar com os russos, como dizia Garrincha.

Os russos são as gigantescas populações das grandes cidades, na qual cada cidadão é um partido que pensa por conta própria, da mesma forma que a internet se torna hoje um instrumento mortal contra o tipo de eleição que Temer pretende, antiga, suja, desleal, como um imenso brejo em que só têm vez os sanguessugas engordados com os recursos roubados do povo brasileiro. 


Guga Kuerten diz que cortar dinheiro do esporte das crianças é ato de desespero
Forró e festa junina no gabinete do vice-presidente da Câmara
veja +
Comissão aprova criação de creches para filhos de agentes de segurança pública
Especialistas sugerem contratação de mais aprendizes pelo poder público
Aplicativo Sine Fácil ajuda 2,7 desempregados no Distrito Federal
veja +