Conveniências na cegueira

autor Gilmar Correa

Postado em 14/01/2018 21:26:30 - 21:12:00


As mentiras que alimentam a cegueira, como na política brasileira/Arquivo/Reprodução/DanielNonohay

A realidade parece semear a doença relatada no livro de Saramago e no filme de Meirelles

Quem não assistiu “Ensaio sobre a cegueira” deveria procurar um tempo e ver este filme dirigido por Fernando Meirelles em 2008. A produção que contou com o apoio de três países – Brasil, Canadá e Japão – é baseado no livro de José Saramago, outra leitura que não pode deixar de ser feita.

Os personagens ficam cegos diante de uma misteriosa doença que desaparece sem deixar rastros. O contágio revela o pior do ser humano e seus comportamentos chegam à insanidade. A exploração humana e a submissão decorrente criam uma atmosfera insalubre.

A realidade parece semear a cegueira relatada no livro de Saramago. Nosso tempo é de escuridão, talvez uma passagem necessária para que ao cabo dessa tragédia possamos colher algum ensinamento.

Ao exemplificar a política, encontramos sinais desta escuridão onde a luz se fez breu. O resultado disso é a grande crise de valores morais que a cada dia desmotiva ao povo brasileiro. Como amar a pátria enquanto somos obrigados a aplaudir um circo decadente, como escreveu, em 2015, o advogado e suplente de senador gaúcho Christofer Goulart.

A silhueta engana a mente, mas é obra perfeita para àqueles que já tem opinião formada.

É o caso da senadora Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT. Na esperteza de criar imagens em defesa do chefe, caiu na esparrela de creditar a faixa “Fuerza Luca” a um suposto apoio a Lula da Silva entre a torcida do Bayern de Munique, que expressou solidariedade ao jogador que foi vítima de briga de torcidas.

O ato falho demonstra que o fim justifica os meios, aliás uma frase creditada falsamente a Nicolau Maquiavel em seu livro “O Príncipe”. As situações e oportunidades seriam criadas segundo a conveniência e nem sempre a verdade é extraída do contexto.

A senadora desliza novamente quando é flagrada na campanha midiática mentirosa e, ao invés de admitir o lapso a partir da faixa, enxerga a oportunidade de atacar. Bem típico dos personagens políticos brasileiros, mas não certamente os únicos mundo afora.

Comportamentos bizarros como este transformaram a política como o eleitor vê hoje, num antro onde tudo é possível, tudo é válido e as desculpas são descartáveis assim com as verdades. As mentiras, essas sim, se proliferam como ervas daninhas.

A cegueira política é um fenômeno que conduz manadas cada vez mais intolerantes e violentas. Os fatos deixam de ser verdades e a versão constitui a base de discursos, ou como disse Joseph Goebbels, “uma mentira dita mil vezes torna-se verdade”.

Aliás o próprio Goebbels foi vítima da mentira. Geralmente atribuída a Winston Churchil, a frase “cortina de ferro” é do alemão nazista, que a usou para exemplificar a guerra entre a União Soviética e a Alemanha, na Segunda Guerra Mundial. 


Guga Kuerten diz que cortar dinheiro do esporte das crianças é ato de desespero
Forró e festa junina no gabinete do vice-presidente da Câmara
veja +
Comissão aprova criação de creches para filhos de agentes de segurança pública
Especialistas sugerem contratação de mais aprendizes pelo poder público
Aplicativo Sine Fácil ajuda 2,7 desempregados no Distrito Federal
veja +