Alerta dos EUA compara Espanha com cidades do DF

autor Misto Brasília

Postado em 12/01/2018 08:24:51 - 08:15:00


Ceilândia seria uma zona de perigo à noite para os americanos/Arquivo/Agência Brasília

Boletim recomenda que sejam evitadas 4 cidades à noite, mesmo nível de alerta para áreas espanholas

Recomendações do governo dos Estados Unidos sobre “perigos” como em cidades do Distrito Federal não é novidade. Os americanos costumam divulgar boletins que recomendam cautela a cidadãos americanos em todas as regiões do mundo. O alerta é de nível 2 (veja aqui), o mesmo que se aplica em algumas áreas da Espanha ou Alemanha, que estão mais propensas a ataques terroristas.

No caso do DF, a orientação de cautela é por conta da criminalidade urbana. São Sebastião, Santa Maria, Paranoá e Ceilândia devem ser evitados ao cair do Sol. A notícia, naturalmente, pegou mal principalmente entre as pessoas que moram nestas cidades.  O governo distrital também reclamou: “Nas regiões vivem cerca de 600 mil habitantes que trabalham, estudam e convivem numa situação de absoluta normalidade.”

Max Maciel, coordenador da Rede Urbana de Ações Socioculturais (R.U.A.S), disse que o boletim americano e “um desrespeito. Eles pegam os dados frios de diagnóstico da Secretaria de Segurança e reproduzem uma desinformação do real cenário, igualando-nos a cidades que vivem conflitos sistêmicos, guerras, quando, o que existe são problemas estruturais”. 

Evitar que viajantes de determinados países evitem zonas de perigo do Brasil não é nenhuma novidade. A França, Inglaterra e a própria Espanha já fizeram isso, como a ONU, que recomendou há alguns anos que seus funcionários tomassem cuidado no Plano Piloto do DF. 


Rollemberg garante que a Estação de Corumbá estará concluída até o final do ano
"O senhor não tem vergonha na cara", dispara brasileiro para Gilmar Mendes
veja +
Meirelles diz que conselho definirá casos de vice-presidentes da CEF
Propostas que legalizam jogos de azar andam rápido no Congresso
Publicada lei que pretende diminuir os altos índices de mortes no trânsito
veja +