Alerta dos EUA compara Espanha com cidades do DF

autor Misto Brasília

Postado em 12/01/2018 08:24:51 - 08:15:00


Ceilândia seria uma zona de perigo à noite para os americanos/Arquivo/Agência Brasília

Boletim recomenda que sejam evitadas 4 cidades à noite, mesmo nível de alerta para áreas espanholas

Recomendações do governo dos Estados Unidos sobre “perigos” como em cidades do Distrito Federal não é novidade. Os americanos costumam divulgar boletins que recomendam cautela a cidadãos americanos em todas as regiões do mundo. O alerta é de nível 2 (veja aqui), o mesmo que se aplica em algumas áreas da Espanha ou Alemanha, que estão mais propensas a ataques terroristas.

No caso do DF, a orientação de cautela é por conta da criminalidade urbana. São Sebastião, Santa Maria, Paranoá e Ceilândia devem ser evitados ao cair do Sol. A notícia, naturalmente, pegou mal principalmente entre as pessoas que moram nestas cidades.  O governo distrital também reclamou: “Nas regiões vivem cerca de 600 mil habitantes que trabalham, estudam e convivem numa situação de absoluta normalidade.”

Max Maciel, coordenador da Rede Urbana de Ações Socioculturais (R.U.A.S), disse que o boletim americano e “um desrespeito. Eles pegam os dados frios de diagnóstico da Secretaria de Segurança e reproduzem uma desinformação do real cenário, igualando-nos a cidades que vivem conflitos sistêmicos, guerras, quando, o que existe são problemas estruturais”. 

Evitar que viajantes de determinados países evitem zonas de perigo do Brasil não é nenhuma novidade. A França, Inglaterra e a própria Espanha já fizeram isso, como a ONU, que recomendou há alguns anos que seus funcionários tomassem cuidado no Plano Piloto do DF. 


Guga Kuerten diz que cortar dinheiro do esporte das crianças é ato de desespero
Forró e festa junina no gabinete do vice-presidente da Câmara
veja +
Comissão aprova criação de creches para filhos de agentes de segurança pública
Especialistas sugerem contratação de mais aprendizes pelo poder público
Aplicativo Sine Fácil ajuda 2,7 desempregados no Distrito Federal
veja +