Lula e o toque de trombetas

autor Misto Brasília

Postado em 11/01/2018 16:22:30 - 16:13:00


Lula em jogo de futebol com petistas e simpatizantes/Arquivo/Ricardo Stuckert/Divulgação

Única coisa que parece certa é que o Brasil se encaminha para uma eleição sob ressalvas jurídicas

Texto de Thomas Milz

Lula. Mesmo neste início de 2018, precisamos inevitavelmente falar sobre o ex-presidente. É que, daqui a exatamente um ano, ele poderá voltar a ocupar o cargo executivo mais alto do país.

Mas, primeiro, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região em Porto Alegre deverá julgar o recurso no caso do tríplex do Guarujá. Vai ser no dia 24 de janeiro – um verdadeiro toque de trombetas para abrir o ano eleitoral.

Uma condenação acaba com as perspectivas de Lula sobre uma candidatura? Nem mesmo especialistas em Direito parecem ter uma resposta clara a essa pergunta. É possível que haja mais recursos e apelações. O STF ainda poderá se pronunciar sobre a Lei da Ficha Limpa e sobre a prisão após condenação em segunda instância.

Tampouco uma absolvição serviria para esclarecer a questão, já que Lula ainda deverá enfrentar outros processos este ano.

A única coisa que parece certa é que o Brasil se encaminha para uma eleição presidencial realizada sob ressalvas jurídicas. Em outras palavras: o caos político continua.

Isso é bom para nós, correspondentes estrangeiros no país. Já a condenação de Lula em primeira instância, no ano passado, chamou muita atenção na Alemanha. É inegável que o ex-presidente era e é uma figura excepcional, não importa o posicionamento político ou pessoal que se tenha em relação a ele. A biografia incomum, o carisma irresistível e os êxitos surpreendentes no combate à pobreza o transformaram no queridinho da imprensa.

O fato de Lula subitamente se ver envolvido em um escândalo de corrupção, o mensalão, foi explicado aos leitores alemães com a observação de que a política lamentavelmente é um negócio sujo. E que sem um pouco de corrupção não se faz nada. E assim Lula deixou o palco político do país em 2010 com níveis recordes de crescimento e popularidade e aclamado pela imprensa internacional.

Mas os tempos mudaram. Após quatro anos de Lava Jato, caos político e a condenação em série de empresários e políticos de todos os campos, ficou difícil explicar a situação do Brasil aos leitores alemães.

Os ânimos agitados por todos os lados contribuem para isso. Para alguém de fora, parece um Fla-Flupolítico, com toda a comoção, paixão e drama de novela que fazem parte de um clássico como esse. Os torcedores gritam para que o juiz tire os jogadores do time adversário de campo. Em seguida, quando ele apita contra o próprio time, o xingam de ladrão.

Nesse contexto, fica cada vez mais difícil avaliar racionalmente se a bola bateu na mão ou a mão na bola, se o pênalti foi corretamente apitado ou quem é o vencedor moral da partida. Juntam-se a isso mensagens de ódio e difamação de todos contra todos nas redes sociais.

Nos últimos 20 anos, eu nunca percebi o clima político e social brasileiro tão tóxico como agora. Um profundo amargor substituiu a leveza dos brasileiros. Há alguns dias, um taxista em Salvador me contou que não tem coragem de dizer aos seus passageiros que é petista – mesmo que, com a ampliação maciça das universidades públicas e o aumento de escolas técnicas, Lula tenha feito mais pela Bahia do que todos os outros políticos juntos.

Enquanto isso, manifestantes na Zona Sul do Rio de Janeiro exigem a prisão imediata de Lula. Eles dizem que não pode haver misericórdia com o "chefe do petrolão".

Hoje, Lula é a figura que racha o Brasil entre apoiadores e adversários. E, assim, é ele que vai definir a eleição de 2018 – seja como candidato, seja como excluído da votação.

Em 2018, todos precisaremos falar sobre Lula. (Thomas Milz é jornalista alemão e mora há 20 anos no Brasil. Texto publicado na Deutsche Welle)


Guga Kuerten diz que cortar dinheiro do esporte das crianças é ato de desespero
Forró e festa junina no gabinete do vice-presidente da Câmara
veja +
Comissão aprova criação de creches para filhos de agentes de segurança pública
Especialistas sugerem contratação de mais aprendizes pelo poder público
Aplicativo Sine Fácil ajuda 2,7 desempregados no Distrito Federal
veja +