O ano que ainda não terminou

autor Gilmar Correa

Postado em 26/12/2017 12:23:32 - 12:07:00


É preciso acender muitas velas para ter esperanças em 2018/Arquivo

Cenário dos velhos problemas que vem desde 2015 e que serão repetidos em 2018

Neste mesmo dia 26, em artigo publicado neste espaço no ano passado, informava que o ano de 2015 não havia terminado. Doze meses depois, pelo que se viu, muita coisa se repetiu.

A inflação fecha 2017 como uma das baixas da década, mas o desemprego é a preocupação de quase 14 milhões de desempregados. Em 2016, eram 12 milhões e 23 milhões com emprego precário.

Sobre isso, escrevi no dia 26-12-2016: “Estudos do Ipea preveem que nesta área, infelizmente, a situação deve piorar”.

O rescaldo dos fatos deste ano envolvem basicamente economia e política. Apesar do Henrique Meirelles - o ministro da Fazenda que se assanha candidato à presidente da República -, dizer que tudo vai melhorar, não é dessa forma que vai acontecer. Meirelles não fez um plano para economia.

O governo apenas baixou medidas para liberação de dinheiro que já era do trabalhador, como os recursos do FGTS e PIS-Pasep, por exemplo. De resto, só atitudes benevolentes para balizar o lucro dos bancos, que nunca caíram.

A tal da reforma política não aconteceu. Muito pelo contrário, o Congresso Nacional buscou fortalezar um sistema podre que trará de volta os mesmos ou seus representantes - parentes que batem na mesma cantilena do atraso.

As manifestações populares, que em 2015 mobilizaram milhões de brasileiros, ficaram no passado recente. O desânimo popular já se sentia ao longo de 2016, mas a classe política vive em outro mundo.

Sobre reformas, é bom lembrar o atraso na legislação trabalhista que passou a vigorar a partir de novembro passado. E no Judiciário, o retrocesso é palpável no jogo que se faz com os poderosos investigados ou conenados.

O teto de gastos previsto na PEC que rendeu muitos debates, vai mesmo provar sua eficiência em 2018. E pelo visto, até seus protagonistas da base governista vão sofrer na pele esse instituto que fez mesmo a graça do chamado mercado financeiro.

O ano termina e começa outro com a discussão em torno da reforma da Previdência. Há uma unanimidade que ela é necessária, mas o Planalto e o senhor Meirelles enterraram o debate para preservar uma doutrina privatista.

E lembro ainda do que foi dito neste mesmo espaço há dois anos e repetido em 2016: “Não há grande esperança. Fevereiro, após o Carnaval, promete agitar o Congresso Nacional e por extensão o Executivo e o Judiciário. Enfim, 2016 promete”. É, parece que 2015 ainda não vai terminar.

Aumentou a conspiração contra a Lava Jato, o maior combate à corrupção da História do país, quando os políticos viraram alvo. A última prova foi a decisão de Michel Temer afrouxar a punição a corruptos condenados. 

Tudo bem, alguém vai dizer que tem a Copa do Mundo e as eleições gerais de outubro. Não vejo mudanças no evento político. Talvez possamos ser campeões em julho, mas o fantasma do 7 a 1 ainda vai assombrar.


Guga Kuerten diz que cortar dinheiro do esporte das crianças é ato de desespero
Forró e festa junina no gabinete do vice-presidente da Câmara
veja +
Comissão aprova criação de creches para filhos de agentes de segurança pública
Especialistas sugerem contratação de mais aprendizes pelo poder público
Aplicativo Sine Fácil ajuda 2,7 desempregados no Distrito Federal
veja +