Belo Horizonte, sorri pra mim

autor Galba Velloso

Postado em 12/12/2017 19:54:11 - 19:49:00


Belo Horizonte é uma grande metrópole, mas guarda o velho charme mineiro/Arquivo/Divulgação

Exige nosso esforço para restaurar, em favor dos belorizontinos, uma qualidade de vida aceitável

Belo Horizonte, cidade jardim, dizia a canção descrevendo como a conhecemos há poucas décadas, arborizada, ajardinada, aconchegante em meio aos prédios de arquitetura típica da época de sua fundação, entre 1897 e o princípio do século passado e que faz neste 12 de dezembro 120 anos. 

Enternece-me a lembrança, também, de que o primeiro Presidente do Estado, ou Governador de Minas, a concluir aqui o seu mandato foi meu bisavô materno, Joaquim Cândido da Costa Senna. 

Pequena no princípio, como era natural, a cidade desde logo agigantou-se como expressão do poderio político de Minas, com Pedro Aleixo, Milton Campos, Antônio Carlos Ribeiro de Andrada, Bias Fortes, Olegário Maciel e a figura exponencial de Juscelino Kubitschek. 

Como expressão dos mineiros ajudou a determinar os destinos do País com a Revolução de 1930, que levou Vargas ao poder e resistiu com ele à Revolução Paulista de 1932, até que mais tarde, quando o Presidente se afastou da linha política de liberdade inspiradora de Minas, principiou com o Manifesto do Mineiros o processo de redemocratização que elegeu Eurico Gaspar Dutra para a Suprema Magistratura da Nação e mais tarde elegeu Presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira. 

Hoje, atingida como outras metrópoles pelos problemas advindos de um crescimento desordenado e da incúria dos governos, exige novamente nosso esforço para restaurar, em favor dos belorizontinos, uma qualidade de vida aceitável em matéria de saúde, transportes, educação e segurança pública. 

Para tanto não bastam discursos, mas uma atitude firme e um trabalho denodado dos governos que até agora têm se marcado pela omissão ou pela incompetência

De minha parte tenho procurado dar parabéns à cidade todos os dias, não com palavras, mas com atos e trabalho contínuo que me permitiram salvar da demolição o prédio antigo da Câmara Municipal, na Rua da Bahia, bem como estimular o término das obras do Palácio das Artes e ainda promover a instalação de 20 mil telefones fixos na cidade, quando ainda não havia o celular, bem como instaurar a CPI relativa à captação das águas do Rio das Velhas, considerado da maior importância. 

No campo crucial da saúde, ajudando o Secretário Fernando Velloso, restauramos a Fundação Ezequiel Dias – FUNED, à época sitiada em meio a 6 toneladas de lixo e que transformamos em instituição modelo, que até hoje produz os medicamentos distribuídos gratuitamente por todos os postos de saúde do Estado. 

É preciso continuar esta luta, sobretudo no que diz respeito a hospitais, atualmente sem estrutura, sem médicos, sem valorização da consulta, sem equipamentos e medicamentos, transformados em construções fantasmas ou aterrorizantes pelo sofrimento e ela dor. 

Mas Belo Horizonte e Minas, estou certo, reagirão para por tudo isso em funcionamento adequado a favor da população.

Parabéns Belo Horizonte, pelo seu aniversário, que é também o de muitas lutas.


Guga Kuerten diz que cortar dinheiro do esporte das crianças é ato de desespero
Forró e festa junina no gabinete do vice-presidente da Câmara
veja +
Comissão aprova criação de creches para filhos de agentes de segurança pública
Especialistas sugerem contratação de mais aprendizes pelo poder público
Aplicativo Sine Fácil ajuda 2,7 desempregados no Distrito Federal
veja +