As vítimas de 2018

autor Gilmar Correa

Postado em 04/12/2017 19:55:02 - 19:39:00


Para interromper esse jogo do toma la da ca é preciso fugir do discurso barato/Arquivo/Reprodução

Combate à corrupção é letra morta, esquecida, vez por outra ressuscitada feito zumbi para atacar

O quadro político-partidário se ajusta à medida que se aproximam as eleições de 2018. Nos estados e a nível federal, os candidatos se apresentam e as pesquisas fazem a alegria de muita gente. As articulações políticas navegam distantes da realidade, mas já elaboram um discurso comum para o eleitorado assustado com o nível de nossa classe política.

A primeira estratégia comum de todos é fugir do debate e da polêmica do combate à corrupção. A conveniência é simbólica, pois atende a todos os matizes ideológicos. Poucos se salvaram desse lodaçal fedorento. A ética e a vergonha são as primeiras vítimas dessa jornada que assistimos com mais clareza nos últimos quatro anos.

A corrupção será um tema proibido nos programas de governo. Letra morta e esquecida ou vez por outra ressuscitada feito zumbi para atacar adversários nos programas de rádio e televisão e, especialmente nas redes sociais. Será apenas uma arma para deixar a campanha eleitoral ainda mais porca. Se antevê o sujo falando do mal lavado.

A ética - que motivou milhares em manifestações - será jogada no lixo em 2018, porque a renovação na política será pífia. E quem está nessa estrada é gente conhecida, que pretende ficar por mais tempo no negócio. É um pessoal que herdou e construiu a carreira em família, grupos que se alimentam da política local, estadual e federal.

E quem está fora não se arrisca em disputar votos ou não tem a mínima chance num quadro partidário sem renovação. Renovação mesmo, só a familiar.

O eleitor que se prepare, pois irá mais uma vez ratificar fantasias apresentadas nas publicidades eleitorais. As mensagens recauchutadas vão bater na cantilena de temas surrados. É a colheita eleitoral plantada em anos do toma lá da cá, da esperteza e do jogo cada vez mais pesado e corrupto.

Para quem pensa em novidades, pode tirar o cavalo da chuva. Basta ver quem se apresenta para disputar o pleito para os legislativos e para os executivos. O voto é a esperança para mudar esse quadro. E cair no conto do vigário é chorar ou xingar por mais quadro anos.


AO VIVO - II Congresso de Direito Eleitoral de Brasília
O brasileiro é criativo - Despacito no ritmo e versão do vendedor de bom bom
veja +
Aprovada reserva de vagas em universidades públicas para alunos bolsistas de escolas beneficentes
CCJ aprova doação de blindados do Exército brasileiro ao Uruguai
Projetos culturais do Distrito Federal recebem recursos
veja +