Previdência: o que mudar?

autor Misto Brasília

Postado em 20/11/2017 18:11:21 - 17:59:00


É preciso acontecer uma transição equilibrada e progressiva na reforma da Previdência/Arquivo/SP

Discurso do fim dos “privilégios” se assemelha a uma cantilena demagógica e mentirosa

Texto de Vilson Antonio Romero

Todos temos convicção de que algumas adequações devem ser feitas nas regras de concessão dos benefícios previdenciários (aposentadorias, pensões e demais auxílios) devidos aos trabalhadores do serviço público e da iniciativa privada, em razão da mudança do perfil demográfico do Brasil, ao longo do tempo. Porém também devemos ter em mente que o Brasil tem desigualdades socioeconômicas regionais muito gritantes que merecem a observância dos mentores da mudança, evitando ter como paradigma pura e simplesmente o que é aplicado às nações primeiro-mundistas de muito diverso e mais elevado Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

Da mesma forma, o discurso do fim dos “privilégios” que alardeia igualar as regras entre servidores públicos e trabalhadores da iniciativa privada, se assemelha a uma cantilena demagógica e mentirosa com objetivo de confundir.

São sabedores os parlamentares e autoridades que assim se pronunciam de que, desde 02/14, nenhum cidadão que ingressar no serviço público se aposentará com valor superior ao teto do INSS. E os que ingressaram ou se aposentaram antes (e continuam pagando sobre tudo o que ganham) têm as cláusulas pétreas do direito adquirido ou coisa julgada a blindar seu benefício. Há alguns entes federados que ainda não cumpriram o que determina a Constituição, criando uma previdência complementar para seus trabalhadores, mas esta é outra história.

Ao mesmo tempo, deve ser considerada a situação de todos que já exercem atividade contributiva, pois estes devem fazer jus a uma transição equilibrada e progressiva que não crie um abismo entre a situação o que falta um dia para se aposentar e quem iniciou a trabalhar no dia anterior da promulgação da Emenda, se vier.

Há também medidas que não dizem respeito às puras e simples restrições aos aposentados e aposentáveis, todas do lado do aperfeiçoamento das fontes de financiamento, que deveriam ser consideradas prioritárias.

A própria CPI da Previdência no Senado apontou os caminhos: cobrar de forma inclemente os créditos devidos à previdência (já somam mais de R$ 450 bilhões), deixar de retirar recursos da seguridade através da DRU (são mais de R$ 100 bilhões ao ano), revisar a política de desonerações e incentivos fiscais (mais de R$ 70 bilhões ao ano), vedar a concessão de Refis aos inadimplentes das contribuições previdenciárias, equipar e adequar os recursos humanos e logísticos para melhor combater a fraude, a corrupção e a sonegação e a inadimplência das contribuições ao INSS, e solucionar a questão envolvendo o elevado desequilíbrio no setor primário (onde se arrecada R$ 8 bilhões e se paga mais de R$ 120 bilhões ao ano).

Estas e inúmeras outras medidas de gestão já seriam suficientes para que um volume expressivo de recursos aportasse aos cofres previdenciários. Da mesma forma que a retomada da economia é fundamental para equilibrar o caixa das aposentadorias e pensões. Se recuperarmos os níveis de empregabilidade e de massa salarial contributiva, aliado às medidas mencionadas, ninguém ou muito poucos falarão em reforma da previdência. (Vilson Antonio Romero é auditor fiscal e presidente do Conselho Curador da Fundação Anfip de Estudos Tributários) 


Guga Kuerten diz que cortar dinheiro do esporte das crianças é ato de desespero
Forró e festa junina no gabinete do vice-presidente da Câmara
veja +
Comissão aprova criação de creches para filhos de agentes de segurança pública
Especialistas sugerem contratação de mais aprendizes pelo poder público
Aplicativo Sine Fácil ajuda 2,7 desempregados no Distrito Federal
veja +