A arrecadação e a Receita Federal

autor Floriano Sá Neto

Postado em 17/11/2017 16:11:49 - 15:59:00


Melhorar o aparato da fiscalização é um pedido dos auditores-fiscais/Arquivo

Em três anos a Receita perdeu 991 servidores em virtude de aposentadorias (quase 10% do efetivo)

A Secretaria de Fiscalização de Pessoal do TCU, em recente auditoria, relatou que o trabalho de arrecadação de tributos da Receita Federal vem sendo executado de forma ineficiente, alegando, para tanto, o reduzido número de servidores, a falta de gestão sobre cargos administrativos e a dificuldade em mapear processos de Trabalho.

É bem verdade que o quadro de servidores da RFB não condiz com o tamanho do Estado brasileiro. Há uma carência enorme desse contingente e que se avoluma a cada dia. Países como EUA, França, Alemanha, Espanha e Canadá, exemplos onde o Fisco está num patamar tecnológico mais avançado que no Brasil, a relação auditor/habitante é bem mais adequada para o bom exercício da atividade fiscalizatória.

Agrava a situação se considerarmos a redução gradual do quadro funcional brasileiro: em três anos a RFB perdeu 991 servidores em virtude de aposentadorias (quase 10% do efetivo), segundo dados da própria Receita. Em outubro de 2014, eram 10.553 servidores, quantitativo reduzido para 9.542 em outubro de 2017. Sem dúvidas é urgente e necessário uma reposição do quadro.

Com o país passando por uma severa crise, tanto em âmbito político, como econômico, com indicadores muito ruins, como PIB, investimentos e, logicamente, arrecadação, culminando em desequilíbrio nas contas públicas, a PEC 186 de 2007 (“PEC da Eficiência”) se torna uma alternativa a melhorias no aparato fiscalizatório, com mais autonomia administrativa, financeira e funcional aos órgãos da administração tributária, essenciais para o combate e repressão à sonegação.

São medidas que podem se tornar um “braço forte” do governo na retomada do crescimento da economia. Essa é a visão da Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Anfip).

Estamos falando de medidas efetivas, atualização de ferramentas de gestão, sem que se tenha que recorrer a aumento de impostos para atenuar o recuo da arrecadação. É preciso fazer saber que elevar, continuamente, metas, em contrapartida ao recebimento de adicionais remuneratórios por meio de bônus, buscando melhorar a eficiência nas fiscalizações, pode não surtir os efeitos almejados no médio e longo prazo.

Outros pontos precisam ser inseridos numa análise que envolva o trabalho do auditor. Pouco (ou nada) se diz, por exemplo, sobre o crédito tributário (previdenciário e não previdenciário lançado pelo auditor fiscal, que entre 2015 e 2016 cresceu quase R$ 165 bilhões. Aqui mereceria uma forte mudança legal do processo de cobrança, pois, desse total, cerca de R$ 138 bilhões (83,7%), foram “ajuizados”, ou seja, os contribuintes autuados, na maior parte pessoas jurídicas com grandes débitos, foram à justiça questionar as autuações dos AFRFB. E por lá essas ações permanecerão por longos anos.

Em síntese, o quadro da RFB precisa ser reforçado e para que a atuação do AFRFB transpareça o que ela realmente é, eficaz e eficiente, a legislação não poderia ser tão branda com o contribuinte faltoso. Ser benevolente, como se fez recentemente com o novo Refis, é um tapa na cara de quem trabalha no fisco e da maioria da população brasileira que paga seus impostos em dia. (Floriano Sá Neto é auditor-fiscal e presidente da Associação Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil)


AO VIVO - II Congresso de Direito Eleitoral de Brasília
O brasileiro é criativo - Despacito no ritmo e versão do vendedor de bom bom
veja +
Aprovada reserva de vagas em universidades públicas para alunos bolsistas de escolas beneficentes
CCJ aprova doação de blindados do Exército brasileiro ao Uruguai
Projetos culturais do Distrito Federal recebem recursos
veja +