Cresce o emprego, mas na informalidade

autor Gilmar Correa

Postado em 01/11/2017 09:53:38 - 09:47:00


As pessoas buscam seus próprios caminhas para fugir do desemprego/Arquivo/EBC

Um terço dos trabalhadores ocupados têm a carteira assinada, a menor quantidade desde 2012

Os números apresentados ontem sobre o emprego/desemprego indicam que o governo pouco ou nada fez para melhorar a crise financeira. Nem mesmo o dever de casa foi capaz de executar, como o controle dos gastos e ou melhorar a gestão. Está preocupado com o próprio umbigo.

Se o emprego melhorou foi na informalidade, um exercício exigido de cada brasileiro. Vamos aos números: com a queda em setembro, a população sem ocupação diminuiu em 524 mil pessoas, chegando a 13 milhões de pessoas no total.

O número de trabalhadores por conta própria (informalidade) subiu 1,8% no terceiro trimestre, somando mais 402 mil pessoas, totalizando 22,9 milhões ao todo.

Apenas um terço dos trabalhadores ocupados atualmente têm a carteira assinada, a menor quantidade desde 2012. O setor público teve aumento de 191 mil postos de trabalho em apenas um trimestre.

E na edição de hoje do Valor, há outro indicador que a capacidade do ministro da Fazenda Henrique Meirelles é questionável. Pelo segundo ano seguido, o Brasil caiu no ranking "Doing Business" do Banco Mundial, que busca medir a facilidade de fazer negócios em 190 países. Ainda assim, ficou mais fácil abrir ou manter uma empresa em território nacional do que era em 2016.

A reportagem é direta. O Brasil ficou atrás de países como Indonésia, Namíbia e Irã. Praticamente todas as demais nações de algum destaque da América Latina também estão em posição melhor do que a brasileira. Além disso, o ambiente de negócios brasileiro é considerado pelo Banco Mundial pior do grupo dos Brics (Rússia, China, África do Sul e Índia).

Cada vez mais Meirelles se mostra um homem do “mercado financeiro”. E como disse o ex-ministro Galba Velloso, no Misto Brasília, “Temer e sua equipe se caracterizam por um fascismo econômico que nos espanta por suas medidas permanentemente contra os pobres, não apenas aqueles no nível mais extremo, como da mesma forma a classe média, sem defesa porque sequer está organizada em corporações”. 


O brasileiro é criativo - Despacito no ritmo e versão do vendedor de bom bom
Deputado ataca Ciro e classifica o pré-candidato de racista e caloteiro
veja +
Aprovada reserva de vagas em universidades públicas para alunos bolsistas de escolas beneficentes
CCJ aprova doação de blindados do Exército brasileiro ao Uruguai
Projetos culturais do Distrito Federal recebem recursos
veja +