Dois discursos, duas práticas e um resultado

autor Gilmar Correa

Postado em 26/10/2017 08:08:04 - 08:07:00


A letargia e a descrença tiraram o brasileiro das ruas/Arquivo/Reprodução

Por conta dos antagonismos, discursos difusos e a perversão política, a força popular murchou

Ao ser completada a votação que levou para a gaveta a denúncia contra Michel Temer e dois de seus mais próximos ministros, Eliseu Padilha e Moreira Franco, o sistema dominante induz que o Brasil passou para uma nova fase. Através de seus porta-vozes alimenta a ideia de que agora a pauta é a reforma, seja ela de qual nível for.

Não é bem assim. Continuamos num mar de lama fétido, onde os aproveitadores financeiros levam a melhor. Eles manipulam, pressionam e utilizam ferramentas para encher os bolsos diante de um Estado à mingua financeiramente, esvaziado e muito mais refém de um perverso controle deste “mercado financeiro”, este ser sem cara e sem rosto.

Todos os passos nesta caminhada levam a um empobrecimento da grande maioria e também ao “emburrecimento” de nossa gente. E não é só esta força descomunal do liberalismo sem freios que se apresenta com seus dentes nestes dois últimos anos, embalado por um governo entalado em crimes.

O governo anterior com sua filosofia e doutrina do Estado soberano, contribuiu para reduzir a força popular e fomentar corrupção paga pelo dinheiro do contribuinte. Ao aparelhar as organizações governamentais e os sindicatos, por exemplo, amordaçou novas lideranças e a compreensão de uma mundo que, em tese, deveria ser bem mais generoso em vários sentidos.

E ao contrário do que afirma em seus discursos, igualmente pavimentou o caminho para o sistema financeiro, com seus lucros extraordinários.

Por conta dos antagonismos, manifestações difusas e a perversão política, a força popular murchou. E o empobrecimento visível através de números como o desemprego, empurra o brasileiro para a autopreservação primária, ou seja,  a emergência é colocar a comida no prato.

As necessidades da própria preservação coloca para escanteio um entendimento maior do momento atual e das transformações do mundo.

Quando o brasileiro enxerga a continuidade de um sistema dominante e, por consequência cada vez mais poderoso, percebe que nada vai mudar. E assim nasce a apatia e a desesperança, caracterizada pela ausência de manifestações do povo, que não está nas ruas neste momento.

A inércia revela-se também nas chamadas entidades de classe ou de categorias. A ausência de propostas nacionais, legítimas e republicanas é fruto de um ambiente sindical apenas corporativo, que alimenta castas e privilégios.

Assim, o “salve-se quem puder” com suas mentiras abre caminho para as grandes corporações e para o proselitismo extremo, que pode desaguar nas urnas do próximo ano. Esta situação política será facilitada pela ausência real e significativa do eleitor, hoje completamente descrente da forma como o sistema se apresenta.


O brasileiro é criativo - Despacito no ritmo e versão do vendedor de bom bom
Deputado ataca Ciro e classifica o pré-candidato de racista e caloteiro
veja +
Aprovada reserva de vagas em universidades públicas para alunos bolsistas de escolas beneficentes
CCJ aprova doação de blindados do Exército brasileiro ao Uruguai
Projetos culturais do Distrito Federal recebem recursos
veja +