A Previdência Social em seu labirinto

autor Floriano Sá Neto

Postado em 05/07/2016 16:05:01 - 15:58:00


Servidores da Previdência fazem protesto/Reprodução

Ministério da Previdência foi totalmente esquartejado e o INSS de autarquia virou secretaria

A comissão mista que analisará a admissibilidade da MP 726/16 deverá se reunir nesta semana no Senado da República para dar início à sua tramitação, após a escolha de seu presidente e do relator. Por se tratar da primeira MP editada pelo governo do presidente interino Michel Temer, terá a atenção especial de toda a sociedade e da mídia.

Essa MP reduziu de 32 para 23 o número de ministérios e passou a ser erroneamente denominada de “reforma administrativa”, como se reduzir esse quantitativo fosse solução dos graves problemas por que passa a administração pública federal.

Vou me ater à situação específica do antigo Ministério da Previdência Social, que já na última reforma do governo Dilma havia sido incorporado ao Ministério do Trabalho e que agora, a prevalecer o texto da MP, foi totalmente “esquartejado”, ficando uma grande parte de sua estrutura rebaixada à condição de secretaria vinculada ao Ministério da Fazenda e a sua principal autarquia, o INSS, vinculada ao agora Ministério do Desenvolvimento Social.

Não sei quem foi o autor desse desenho, mas tem tudo para não dar certo, pois agora toda a política e diretrizes operacionais virão da Fazenda e a parte administrativa, e grande, a do INSS virá de outro ministério.

Houve o requinte de se excluir toda e qualquer menção ao adjetivo social, que sempre acompanhou a Previdência, num evidente sinal de seu rebaixamento e subordinação à nova matriz econômica que as demais medidas legais vão aos poucos descortinando.

Defendo e trabalharei para que o Congresso Nacional rejeite de pronto esse acinte constitucional e retorne a Previdência Social ao status de ministério ou fundido ao MDS, retornando então o antigo MPAS, Ministério da Previdência e Assistência Social, temas que compõem, com a saúde, o nosso tripé constitucional da Seguridade Social.

Se ainda assim não tivermos forças para tanto, sugiro o retorno do qualitativo “social” para a Previdência e a criação da Secretaria Especial da Previdência Social dentro do Ministério da Fazenda. Parece pouca coisa, mas a preservação do espaço da Previdência Social tem um significado grande e deveria ser encampada e aceita pelo próprio governo.

Afinal, estaria se reproduzindo o que aconteceu na republicação da MP, em que foram reconduzidas ao status de Secretaria Especial: Cultura (esta até já voltou a ser ministério), Agricultura Familiar, Microempresa, Direitos Humanos, Igualdade Racial e Mulheres. É um absurdo não haver uma da Previdência Social!

Entendo que o desmonte do Ministério da Previdência Social significa o início do fim da Seguridade Social no Brasil, com prejuízos para os aposentados do regime geral e de toda a classe trabalhadora, incluindo os servidores públicos das três esferas de governo, já que esse assunto era normatizado e fiscalizado no âmbito do MPS.

 


Guga Kuerten diz que cortar dinheiro do esporte das crianças é ato de desespero
Forró e festa junina no gabinete do vice-presidente da Câmara
veja +
Comissão aprova criação de creches para filhos de agentes de segurança pública
Especialistas sugerem contratação de mais aprendizes pelo poder público
Aplicativo Sine Fácil ajuda 2,7 desempregados no Distrito Federal
veja +