A terceirização do STF

autor Galba Velloso

Postado em 16/10/2017 21:11:31 - 22:07:00


A falta de ponderações mínimas que acabam por chover no molhado/Arquivo

Volta atrás em um clima de confronto, tensão e articulação política, de favores e de conchavos

Pela segunda vez o STF realiza uma espécie de terceirização da efetividade de sua judicatura, no caso das medidas cautelares contra integrantes do parlamento, que passam a depender de confirmação se não pelo próprio interessado, pelo menos daqueles que lhe são próximos ou sobre os quais pode influir.

No primeiro caso tratou-se de Cesare Battisti, em que o Supremo concluiu pela presença das condições para extradição, mas numa decisão inusitada deixou sua concretização ao Poder Executivo, que jamais a realizou, certamente pela afinidade doutrinária e ideológica com o paciente da causa.

Agora, desprezando a interpretação da Primeira Turma da Corte, que optara sem qualquer pressão pela aplicabilidade das medidas cautelares, volta atrás, em um clima de confronto, tensão e articulação política, que levou o STF a marcar uma sessão antes que o Congresso fixasse a data da sua para tratar do mesmo tema, com ameaças públicas de que a decisão do Pretório Excelso não seria cumprida.

Ora, decidir que medidas cautelares contra congressistas dependem da deliberação homologatória da própria casa a que pertencem, equivale a chover no molhado ou enxugar gelo, porque deixam de estar presentes ponderações jurídicas mínimas, para depender a decisão de outros temas como delações e reformas, em um entremeio de motivações, de favores e de conchavos, os quais, estes sim, representam uma interferência indevida do âmbito político na competência jurídica do Supremo, ou seja, os mesmos que clamaram não poder o STF interferir no Legislativo, tornam-se aptos a interferir na decisão do Judiciário, até tornando-a inócua.

Se a confirmarem, foi uma desnecessária tempestade em copo d’água.

Se a rejeitarem, não o farão pelo exame das razões da Primeira Turma do STF, nem por aquelas constantes dos votos dos cinco ministros que se opuseram à tese adotada, provocando um empate, de tal forma frágil nas suas posições que a redação do resultado proclamado exigiu não apenas a intervenção do decano da Corte Suprema, como praticamente tomou o tempo necessário à realização de uma sessão ordinária.

Nem se diga que o resultado proclamado teve como razão de decidir a repercussão sobre o exercício do mandato senatorial.

Claro que tem que repercutir, pois é exatamente em virtude dessa repercussão que têm os parlamentares as prerrogativas de foro e todas mais.

De que adiantariam medidas cautelares que não repercutissem sobre o mandato se é exatamente pelo exercício dele que se tornam necessárias as medidas que impeçam o que foi considerado abusivo?

Se não repercutissem sobre o exercício do mandato não seriam necessárias.

O Supremo cedeu, aparentando apenas interpretar. E sublinhou-se a necessidade de cumprir a missão de conciliar.

Não se pode conciliar à revelia da Constituição, de que o STF é criatura incumbida exatamente de por ela velar.


AO VIVO - II Congresso de Direito Eleitoral de Brasília
O brasileiro é criativo - Despacito no ritmo e versão do vendedor de bom bom
veja +
Aprovada reserva de vagas em universidades públicas para alunos bolsistas de escolas beneficentes
CCJ aprova doação de blindados do Exército brasileiro ao Uruguai
Projetos culturais do Distrito Federal recebem recursos
veja +