Homo economicus

autor Vitória Colvara

Postado em 11/10/2017 17:51:26 - 17:46:00


Há um modelo comportamental das decisões racionais no consumo/Ilustração/InstitutoMercadoPopular

Parece teoria da conspiração, mas é somente a economia se valendo de tudo o que estiver ao alcance

Somos animais racionais! O que supostamente nos difere de milhares de outras espécies com as quais compartilhamos o mesmo planeta. É é justamente a nossa capacidade de pensar, raciocinar e, a partir disso, tomar decisões que julgamos serem fruto da nossa razão. Mas e se de repente, pesquisadores espalhados por diversos países, resolvessem criar uma teoria científica nos dizendo que as coisas não são bem assim?

E se centenas de pessoas passassem a dedicar suas vidas estudando o comportamento humano não mais sob um viés cartesiano e separatista, mas sim sob uma perspectiva abrangente que nos enxerga enquanto seres sensitivos cujas ações são condicionadas a padrões e influências culturais, geográficas, familiares, econômicos e mercadológicas?

Seria uma completa loucura se eu tentasse através desse breve artigo te convencer de que a nossa racionalidade é limitada e de que somos todos previsivelmente irracionais? Talvez.

Mas ainda bem que para respaldar esse raciocínio um tanto quanto incoerente para algumas pessoas, eu posso me valer de uma notícia quentinha e super atual: “Richard Thaler ganha Nobel de Economia em 2017 por suas contribuições para a economia comportamental e afirma que irá gastar o prêmio tão irracionalmente quanto possível.”

E ele não é o pioneiro no assunto, o Nobel de 1978 foi para Herbert A. Simon que, valendo-se inclusive de fórmulas físicas e matemáticas, desenvolveu um modelo comportamental das decisões racionais.

O desenvolvimento dessa teoria, trouxe premiação Nobel também para David Schkade, Ilana Ritov, Cass R. Sunstein e Daniel Kahneman que escreveram sobre a previsibilidade dos julgamentos incoerentes.

E a lista é longa e merece uma análise mais aprofundada do leitor que não se contenta com informações curtas, rápidas e instantâneas. O próprio Kahneman escreve sobre isso em sua polêmica obra: Rápido e Devagar: duas maneiras de pensar.

Pois bem, os idealizadores dessa junção entre economia e psicologia, são encontrados na internet, nos TED talks e por aí vai. Mas e suas consequências?

E aqui vai a notícia triste. Essa pesquisa cientifica assim como tantas outras, já vem sendo largamente utilizada pela lógica do mercado que, valendo-se de informações preciosas, já consegue te convencer a ter sonhos de consumo que só tendem a crescer junto com as dívidas e as prestações. Ou você não acha uma enorme coincidência acessar a internet e sempre receber anúncios que sejam do seu interesse? Ou que estejam vinculados a algo que você já pesquisou antes?

Parece teoria da conspiração, mas é somente a economia se valendo de tudo o que estiver ao alcance, para continuar ditando os comportamentos, sonhos e anseios da nossa sociedade. Fiquemos espertos, e aceitemos tal como o Raul que somos humanos, ridículos, limitados e que só usamos dez por cento da nossa cabeça animal.


Guga Kuerten diz que cortar dinheiro do esporte das crianças é ato de desespero
Forró e festa junina no gabinete do vice-presidente da Câmara
veja +
Comissão aprova criação de creches para filhos de agentes de segurança pública
Especialistas sugerem contratação de mais aprendizes pelo poder público
Aplicativo Sine Fácil ajuda 2,7 desempregados no Distrito Federal
veja +