Um país em convulsão

autor André Pereira Cesar

Postado em 06/09/2017 16:07:47 - 16:00:00


Crianças desfilam no 7 de setembro, Dia da Pátria/Arquivo/DiáriodeCanoas

Os eventos recentes talvez expliquem a aprovação PEC que prevê fim e coligações nas eleições

Tradicionalmente, uma semana de feriado apresenta pouca movimentação no campo da política. Essa véspera do 7 de setembro, no entanto, está atípica.

Para começar, a disputa entre DEM e PMDB mostra o nível de tensão entre os partidos. Integrantes do PSB, entre eles o ministro de Minas e Energia Fernando Bezerra Filho, negociavam com os democratas, mas na última hora, migraram para o PMDB. Inevitável cisão na base aliada.

Também no PSDB a situação não é confortável. Dória e Alckmin, criatura e criador, abriram disputa aberta visando a sucessão presidencial. O partido sangra em público.

A situação é ainda mais complexa no âmbito da Justiça. Os ex-presidentes Lula e Dilma foram denunciados pela Procuradoria-Geral da República por formação de organização criminosa para desviar dinheiro da Petrobras e de outros órgãos da administração. O inquérito é chamado de "quadrilhão do PT", por envolver alguns dos principais nomes do partido, como os ex-ministros Palocci, Mantega, Paulo Bernardo e a senadora Gleisi Hoffmann, entre outros. O procurador-geral, Rodrigo Janot, apontou Lula como chefe e "grande idealizador" da organização criminosa, e defendeu que ele seja condenado a pena maior que a dos outros. A suposta quadrilha do PT é acusada de receber R$ 1,48 bilhão de propina "de meados de 2002 a 12 de maio de 2016".

Somente Lula teria recebido R$ 230 milhões. Segundo a denúncia, o esquema causou prejuízos de R$ 29 bilhões à Petrobras. A defesa de Lula disse que é perseguição a ele. Os advogados de Palocci informaram que o petista vai colaborar no processo.

E não é só. As citações de delatores da JBS a quatro ministros do STF, sem qualquer indício de crime, provocaram forte reação no tribunal. A presidente Cármen Lúcia disse que houve agressão inédita à "dignidade institucional" do Supremo e pediu apuração imediata. Pelo menos dois ministros da Corte defenderam que a validade das provas apresentadas por Joesley Batista seja revista pelo plenário do tribunal, se comprovada omissão de informações e participação do ex-procurador Marcello Miller. O relator da Lava-Jato no STF, Edson Fachin, aguardará o fim das investigações da PGR sobre o caso. Para o Planalto e governistas, com a gravação, a nova denúncia do procurador Janot contra o presidente Temer já chegará mais fraca ao Congresso. Fachin homologou a delação do doleiro Lúcio Funaro, operador do PMDB.

Por fim, na maior apreensão de dinheiro vivo já feito no país, a PF encontrou R$ 42.643.500 milhões em notas de R$ 100 e R$ 50 e US$ 2.688.000 milhões (R$ 8,4 milhões) totalizando R$ 51 milhões, guardadas em malas e caixas num apartamento de Salvador. Segundo a PF, o imóvel pertence a Silvio Ferreira, que o teria cedido para que o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), em prisão domiciliar, guarde pertences. Sete máquinas de contar cédulas levaram 14 horas para concluir a contagem do dinheiro.

A operação, batizada de Tesouro Perdido, foi deflagrada na manhã desta terça-feira (05) e é desdobramento de outra investigação, sobre fraudes em liberações de empréstimos na Caixa, a Cui Bono. Na decisão em que autorizou a busca e apreensão no imóvel que seria o 'bunker' do dinheiro de Geddel Vieira Lima, o juiz federal Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara do TRF-1ª Região, destaca que a Polícia Federal foi informada sobre a existência do local por meio de uma ligação telefônica ocorrida em 14 de julho do corrente ano. O apartamento fica a 1 km de onde Geddel mora e cumpre prisão domiciliar.

Os eventos recentes talvez expliquem a aprovação da PEC que prevê fim de coligações. O plenário da Câmara dos Deputados aprovou em primeira votação, por 384 votos a 16, o texto-base da PEC que põe fim às coligações em eleições proporcionais e institui a cláusula de barreira, medida que restringe o acesso de partidos a verbas públicas e à propaganda de rádio e TV. A PEC é uma das mudanças da reforma política em discussão na Câmara. A data de entrada em vigor da norma só será definida na semana que vem. Uma medida de proteção, talvez.

O fato é que a crise política e moral atingiu patamares até então inéditos. Sem lideranças fortes, o país segue à deriva.


O brasileiro é criativo - Despacito no ritmo e versão do vendedor de bom bom
Deputado ataca Ciro e classifica o pré-candidato de racista e caloteiro
veja +
Aprovada reserva de vagas em universidades públicas para alunos bolsistas de escolas beneficentes
CCJ aprova doação de blindados do Exército brasileiro ao Uruguai
Projetos culturais do Distrito Federal recebem recursos
veja +