Privatização e indicação política

autor André Pereira Cesar

Postado em 28/08/2017 08:25:44 - 08:21:00


Governo vai privatizar parte do setor elétrico com a venda da Eletrobras/Arquivo/Reprodução

O embate apenas começa e envolve PMDB, PSDB, DEM e PP, entre outros aliados

"Privatização", entre aspas ou não, sempre foi um tabu na vida brasileira. Olhando o país desde a redemocratização, todos os governos, de Collor a Dilma, abordaram a questão.

Portanto, não há grandes novidades na recente proposta do governo Temer em vender ativos da União ou realizar concessões para a iniciativa privada. O atual processo tem apenas uma nova roupagem.

Mas não será fácil para o atual grupo no comando fazer avançar a proposta. Como já dito, privatização é algo polêmico no país. Grupos organizados e a esquerda, por exemplo, falam em "setores estratégicos" para defender a manutenção do quadro atual. Também economistas de diferentes correntes questionam os resultados finais do processo.

Há uma importante dificuldade adicional. No modelo político brasileiro, estatais e empresas públicas são utilizadas para a distribuição de cargos - e poder - aos aliados do Planalto. Abririam esses aliados mão desse dispositivo?

Levantamento realizado pelo jornal O Estado de São Paulo e divulgado no último domingo, 27 de agosto, mostra que existem ao menos trinta indicações políticas nas diretorias a serem privatizadas. O embate apenas começa e envolve PMDB, PSDB, DEM e PP, entre outros aliados.

Nem mesmo a disposição de governadores e prefeitos seguirem o exemplo do governo federal muda o quadro.

Sem entrar no mérito da proposta governista, o que fica claro é que o debate político no país segue travado. Andamos em círculos. São necessárias mudanças profundas no sistema para um verdadeiro salto qualitativo. Do contrário, tudo será mais do mesmo.


Vídeo alerta para as desigualdades e convida para a reforma solidária
Sindicatos de fiscais de tributos preparam proposta para reforma tributária
veja +
Relatório da MP da privatização da Eletrobras será votado dia 8 de maio
Placas do Mercosul serão obrigatórias apenas para veículos novos e transferidos
Câmara analisa limites da legítima defesa
veja +