Matemática e física para combater o crime organizado

autor Misto Brasília

Postado em 12/06/2017 08:43:58 - 08:42:00


Agentes da Polícia federal em operação contra o crime organizado/Arquivo

Agente da Polícia Federal afirma em tese que as duas ciências facilitam as investigações complexas

O agente de Polícia Federal Bruno Requião da Cunha garante que aliar matemática, física e algoritmos amplia os resultados numa investigação de sucesso em novo paradigma no entendimento das redes criminais e no seu combate.

Bruno, que é membro da Associação Internacional de Analistas de Aplicação da Lei de Inteligência, demonstrou numa tese de doutorado em Física na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. A pesquisa sobre o uso da física nas investigações das redes de crime organizado já foi aplicada na operação Darknet, para combater uma rede de distribuição de pornografia infantil na internet.

 “Muitas vezes o criminoso que faz a ligação entre aglomerados de pessoas é considerado menos importante por não ser o líder de uma organização criminosa. É um pouco diferente do que estamos acostumados. Ultimamente o foco tem sido o líder, como por exemplo, um Fernandinho Beira Mar”, explica Bruno num texto publicado pelo sítio eletrônico da Fenapef.

“Os pontos de comunicação na verdade são as colas que unem pessoas que não aparecem tanto, mas que são os que fazem com que as organizações criminosas se fortaleçam do ponto de vista matemático”.


Rollemberg diz que não há decisão sobre ampliação do racionamento
Mensagem emocionante de quem construiu o Congresso
veja +
Parlamentares defendem ações e investimentos para a primeira infância
Para Perondi, governo enfrenta poderoso nicho de fiscais e Ministério Público do Trabalho
Eunício explica porque não leu o Projeto de Decreto do Trabalho Escravo
veja +