Crise sem fim

autor André Pereira Cesar

Postado em 31/05/2017 09:17:07 - 09:12:00


Renan Calheiros dá entrevista após ser mantido na liderança do PMDB/Geraldo Magela/Agência Senado

Apesar de pressionado pelo Planalto e por aliados, Renan Calheiros segue na liderança do PMDB

A crise política mais aguda segue engolfando o governo Temer, que não consegue retomar o controle do processo. O quadro geral afeta todo o país, aumentando a tensão social e esgarçando a economia. Analisemos os fatos mais recentes.

O grande nó está sobre o ex-assessor palaciano e deputado afastado Rodrigo Rocha Loures. Caso perca o foro especial, o que pode ocorrer em breve, sua situação se complicará ainda mais. Aguentará ele a pressão ou abrirá o jogo? Temer, em larga medida, depende de Rocha Loures.

O caso Rocha Loures passa pela trapalhada em torno da mudança no comando do ministério da Justiça. A ida de Torquato Jardim para a pasta gerou uma crise envolvendo o antigo titular, Osmar Serraglio, que não aceitou ser "rebaixado" para o ministério da Transparência. Sua nota oficial, lacônica, indica o grau de insatisfação. Serraglio retorna à Câmara.

Outra fonte de risco no Congresso está no Senado Federal. Apesar de pressionado pelo Planalto e por aliados, Renan Calheiros segue na liderança do PMDB. Desafeto de Temer, o alagoano pode criar problemas no comando de seu exército. Calheiros sabe jogar o jogo da política como poucos.

Também as informações de que o novo presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, teria ligações familiares com um lobista preso na Lava Jato apenas tumultua ainda mais o ambiente.

Temer se escora no PSDB, o grande fiador da governabilidade.  O partido de FHC, porém, mantém um comportamento ambíguo e joga suas fichas no julgamento do TSE. Os tucanos, na verdade, estão divididos sobre o apoio a um presidente enfraquecido.

A questão fiscal dos estados é outro problema grave, e o Rio de Janeiro seu melhor retrato. Não bastassem os atrasos no pagamento do funcionalismo, a rejeição das contas de 2016 do governo Pezão, pelo Tribunal de Contas do Estado, jogou gasolina na fogueira. Mais turbulência à vista.

É evidente que a economia sente a crise política. O ambiente limita a ação de investidores, assustados com o quadro. Pouco dinheiro circula, investimentos em queda e demora na redução da taxa Selic seguem no horizonte. Desalento geral em meio à alta do desemprego.

Não nos iludamos. Não importa o resultado do processo, a crise persistirá até ao menos as eleições de 2018. Com um Temer enfraquecido ou um novo presidente eleito pelo Congresso Nacional, pouco se fará de efetivo.

O Brasil andou dez casas para trás. O que não sabemos ainda é quantificar o prejuízo.


Guga Kuerten diz que cortar dinheiro do esporte das crianças é ato de desespero
Forró e festa junina no gabinete do vice-presidente da Câmara
veja +
Comissão aprova criação de creches para filhos de agentes de segurança pública
Especialistas sugerem contratação de mais aprendizes pelo poder público
Aplicativo Sine Fácil ajuda 2,7 desempregados no Distrito Federal
veja +