Crise sem fim

autor André Pereira Cesar

Postado em 31/05/2017 09:17:07 - 09:12:00


Renan Calheiros dá entrevista após ser mantido na liderança do PMDB/Geraldo Magela/Agência Senado

Apesar de pressionado pelo Planalto e por aliados, Renan Calheiros segue na liderança do PMDB

A crise política mais aguda segue engolfando o governo Temer, que não consegue retomar o controle do processo. O quadro geral afeta todo o país, aumentando a tensão social e esgarçando a economia. Analisemos os fatos mais recentes.

O grande nó está sobre o ex-assessor palaciano e deputado afastado Rodrigo Rocha Loures. Caso perca o foro especial, o que pode ocorrer em breve, sua situação se complicará ainda mais. Aguentará ele a pressão ou abrirá o jogo? Temer, em larga medida, depende de Rocha Loures.

O caso Rocha Loures passa pela trapalhada em torno da mudança no comando do ministério da Justiça. A ida de Torquato Jardim para a pasta gerou uma crise envolvendo o antigo titular, Osmar Serraglio, que não aceitou ser "rebaixado" para o ministério da Transparência. Sua nota oficial, lacônica, indica o grau de insatisfação. Serraglio retorna à Câmara.

Outra fonte de risco no Congresso está no Senado Federal. Apesar de pressionado pelo Planalto e por aliados, Renan Calheiros segue na liderança do PMDB. Desafeto de Temer, o alagoano pode criar problemas no comando de seu exército. Calheiros sabe jogar o jogo da política como poucos.

Também as informações de que o novo presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, teria ligações familiares com um lobista preso na Lava Jato apenas tumultua ainda mais o ambiente.

Temer se escora no PSDB, o grande fiador da governabilidade.  O partido de FHC, porém, mantém um comportamento ambíguo e joga suas fichas no julgamento do TSE. Os tucanos, na verdade, estão divididos sobre o apoio a um presidente enfraquecido.

A questão fiscal dos estados é outro problema grave, e o Rio de Janeiro seu melhor retrato. Não bastassem os atrasos no pagamento do funcionalismo, a rejeição das contas de 2016 do governo Pezão, pelo Tribunal de Contas do Estado, jogou gasolina na fogueira. Mais turbulência à vista.

É evidente que a economia sente a crise política. O ambiente limita a ação de investidores, assustados com o quadro. Pouco dinheiro circula, investimentos em queda e demora na redução da taxa Selic seguem no horizonte. Desalento geral em meio à alta do desemprego.

Não nos iludamos. Não importa o resultado do processo, a crise persistirá até ao menos as eleições de 2018. Com um Temer enfraquecido ou um novo presidente eleito pelo Congresso Nacional, pouco se fará de efetivo.

O Brasil andou dez casas para trás. O que não sabemos ainda é quantificar o prejuízo.


Mensagem emocionante de quem construiu o Congresso
Aécio volta a dizer que é “vítima de uma ardilosa armação”
veja +
Parlamentares defendem ações e investimentos para a primeira infância
Para Perondi, governo enfrenta poderoso nicho de fiscais e Ministério Público do Trabalho
Eunício explica porque não leu o Projeto de Decreto do Trabalho Escravo
veja +