A longa e sinuosa estrada para o ajuste dos estados

autor André Pereira Cesar

Postado em 13/04/2017 11:00:03 - 10:54:00


Ajuste Fiscal/ Foto Reprodução Google

A maior parte dos Estados não têm sinais ou projetos para a retomada do desenvolvimento

Em meio ao caos instaurado após a divulgação da já notória "lista de Fachin", uma questão de grande relevância saiu de cena: o ajuste fiscal dos estados.
O tema está em pauta há tempos e, desde a agudização da crise no ano passado, domina parte da agenda política brasileira. O que vem pela frente?

Rememoremos os fatos. Em 2016, um projeto de lei complementar tramitou no Congresso Nacional. Na Câmara dos Deputados, o então relator, Esperidião Amin(PP/SC), apresentou um parecer no qual as chamadas contrapartidas aos estados foram suavizadas. No Senado Federal, porém, o texto foi revisado, mas os deputados mantiveram, ao final, a visão "suave" da proposta.

Agora, dada a evidência da dramaticidade das finanças públicas de diversos estados (o Rio de Janeiro como exemplo mais claro), o tema voltou com força à cena. Um novo projeto de lei complementar está na Ordem do Dia da Câmara.

Relatado pelo deputado Pedro Paulo(PMDB/RJ), o texto é mais duro que o anterior e implica até em tributos e contribuições extras para servidores estaduais. Nada fácil a construção política para a aprovação do projeto.

A velha canção dos Beatles falava em uma longa e sinuosa estrada para se chegar ao amor. Aqui, a longa e sinuosa estrada existe para o ajuste fiscal dos estados. A maior parte deles está à beira da falência e, mais ainda, sem sinais ou projetos para a retomada do desenvolvimento. O tempo corre e, sem soluções a curto e médio prazos, o cenário de caos pode ser a tônica. Mais uma vez, o Rio de Janeiro serve de exemplo.


Guga Kuerten diz que cortar dinheiro do esporte das crianças é ato de desespero
Forró e festa junina no gabinete do vice-presidente da Câmara
veja +
Comissão aprova criação de creches para filhos de agentes de segurança pública
Especialistas sugerem contratação de mais aprendizes pelo poder público
Aplicativo Sine Fácil ajuda 2,7 desempregados no Distrito Federal
veja +