O mundo real da política

autor Gilmar Correa

Postado em 28/02/2017 22:09:59 - 22:01:00


Depois da quarta feira de cinzas dizem que o ano começa no Brasil/Arquivo/Cleófas

Muitas emoções para grandes discussões com o fim do Carnaval dentro e fora do Congresso

Dizem que o ano começa depois do Carnaval. Se for assim, as cinzas de quarta-feira apontam para muitos e desafiadores temas.

Eis alguns dos tópicos que o mundo político nos reserva: reforma da Previdência, reforma tributária, uma nova tentativa da reforma política, julgamento da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral, Laja Jato em Curitiba e no Supremo Tribunal Federal, renegociação das dívidas dos estados, economia em frangalhos e desemprego nas alturas.

A falta de emprego é, com certeza, o que mais preocupa. São mais de 13 milhões de brasileiros desempregados ou 24 milhões subutilizados. Pessoas que poderiam ter uma maior jornada de trabalho, seja como empreendedores ou com carteira de trabalho assinada.

O jogo político desconhece a realidade. Disputas rasteiras miram apenas as eleições. Há mais de dez pré-candidatos à presidência da República. A situação também não é diferente nos estados, com nomes para todos os gostos e público.

Não é difícil imaginar, portanto, o nível do debate e das atitudes que os nossos representantes farão daqui pra frente.

Os próximos meses reservam muita emoção no âmbito da Lava Jato. Dentro e fora da esfera judicial.

Como a operação mira agora os políticos, é provável que grupos antagônicos já tenham começado a costurar uma estratégia para esvaziar as investigações e as possíveis condenações. É quase uma certeza de que está em curso uma ampla operação para preservar as cabeças de gente graúda da República. Quando se fala em preservação, a classe sabe como ninguém exercitar essa tarefa.

O Carnaval de 2017 está no fim, mas no mundo político a fantasia nunca é descartada.


Caiado quer acabar com o horário político de rádio e televisão
Duarte Nogueira diz que aeroporto de Ribeirão Preto será reformado
veja +
Marco Aurélio diz ser necessário observar a legislação pátria
Pagar ou não pagar universidade pública, eis a questão
Eunício adia sessão do Congresso para votação da reforma política
veja +