A música brasileira que reduz o papel da mulher

autor Gilmar Correa

Postado em 08/06/2016 10:59:51 - 10:35:00


Reprodução - Kut Kut - Trava o Bum Bum

Letras de gosto duvidoso marcam o repertório nacional de todos os gêneros

Alô mulheres que tanto protestam contra o estupro coletivo no Rio de Janeiro: que tal não ouvir, cantar, comprar e não ir a shows de cantores e grupos (de funk e sertanejo universitário, em especial) cujas letras de músicas só fazem diminui-las, ofendê-las, quando não trata-las como se fossem prostitutas? E assim que se começa a ter respeito próprio, dignidade, altivez.

A observação não é minha, mas do jornalista catarinense Raul Sartori.

Há muito tempo que as letras dessas músicas vêm sendo questionadas por sua qualidade. Em 2012, por exemplo, o professor Jean Henrique Costa se debruçou sobre essa polêmica.

Numa dissertação de doutorado com o tema “Indústria Cultural e Forró Eletrônico no Rio Grande do Norte” (veja o trabalho), o professor da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte mexe num vespeiro comercial de grande envergadura.

Numa das partes da pesquisa, Costa analisou o conteúdo das letras dos cinco primeiros álbuns da banda Garota Safada e descobriu que 65% das músicas falam de amor, 36% de sexo e 26% de festas e bebedeiras.

O ideal de uma vida festeira, regada de uísque, caminhonete 4×4 e raparigas (mulheres) é hoje um símbolo de status e prestígio para muitos dos ouvintes.

As letras, invariavelmente, colocam no chinelo a mulher. Veja esta: “Na selva / Bem-vinda à selva / Veja ela derrubar seus joelhos / Venha, eu quero ver você sangrar.

Ou esta: Sempre escuta as bandas que eu nunca ouvi / Sempre de vestido pra sair / E quando ela sai, não importa pra onde vai / Sempre com o cartão do pai / Compra tudo e se distrai.

E o que dizer deste funk chamado "Kut kut - trava bumbum": bum, bum, bum, joga o bum bum, trava o bum bum, treme bum bum, dançarina número rum. Somente o vídeo desta "poesia" alcançou quase 10 milhões de visualizações no YouTube.

E há o exagero do monossílabos. Sou simples. Mas eu te garanto. Eu sei fazer o lê lê lê, lê lê, lê. Se eu te pegar você vai ver. Lê, lê, lê, Lê, lê, lê,

Para Eduardo Nunomura, em texto publicado na CartaCapital, afirma que a música brasileira está decadente - san élégance. Difícil encontrar alguém que nunca tenha ouvido uma frase como essa. "Refine o gênero e as frase continuarão a fazer sentido para muitas pessoas. O funk, o sertanejo, o forró, o pop, todas as músicas consumidas pelas massas não prestam".

No texto "até quando teremos que suportar letras horríveis na música brasileira?", o site NetCina desafia: "Tente identificar uma canção nacional que esteja fazendo sucesso atualmente que tenha uma letra que não seja endereçada a alguém que sofra de um retardamento mental".

E Rafael Teodoro, no site Bula Revista em seu artigo “O sertanejo universitário na era da imbecilidade”, arremata sobre o sertanejo universitário. Trata-se de um modelo hedônico de uma sociedade capitalista hedonista, marcadamente voltado ao consumo, onde ser um “idiota”, um “imbecil completo”, não só não é motivo de desonra — própria e familiar — como se consubstancia num status socialmente tolerado (diria mesmo instigado).

As porcarias brasileiras mais tocadas no Spotfy

01 – Bum Bum Granada – MC Zaac e Jerry

02 – O nosso santo bateu – Matheus e Kauan

03 – 10% - Maiara e Maraísa

04 – Ela só quer paz – Prójota

05 – Sosseguei – Jorge e Matheus

06 – Ou Some ou Soma – Jorge e Matheus

07 – Como é que a gente fica – Henrique e Juliano

08 – A Rosa e o beija-flor – Jorge e Matheus

09 – Na hora da raiva – Henrique e Juliano

10 – Flor e o beija-flor – Henrique e Juliano

11 – Que sorte é a nossa – Matheus e Kauan

12 – Vou voando – Jorge e Matheus

13 – Nada, nada – Henrique e Juliano

14 – Química – MC Biel

15 – Essa mina é louca – Anitta

16 – Aquele 1% - Marcos e Belutti, com Wesley Safadão

17 – Bang – Anitta

18 – Você merece cachê – Israel Novaes e Wesley Safadão

19 – Suíte 14 – Henrique e Diego, com MC Guime

 

 


Guga Kuerten diz que cortar dinheiro do esporte das crianças é ato de desespero
Forró e festa junina no gabinete do vice-presidente da Câmara
veja +
Comissão aprova criação de creches para filhos de agentes de segurança pública
Especialistas sugerem contratação de mais aprendizes pelo poder público
Aplicativo Sine Fácil ajuda 2,7 desempregados no Distrito Federal
veja +