Black Friday político

autor Gilmar Correa

Postado em 25/11/2016 10:07:27 - 10:02:00


O pacote da lojinha política é bem colorido e tem muita surpresa/Twitter

A lojinha está aberta com um produto colorido, bom de gogó e vive noutro mundo, é quase um ET

Vou entrar na onda das grandes lojas de departamentos e do comércio em geral. Black Friday para os políticos.

Liquidação geral para renovar o estoque. Como a promoção não ficará apenas nesta sexta-feira, também acompanho a ideia de liquidação geral no sábado e domingo.

Admito que a minha lojinha poderá ficar às moscas, mas não custa tentar. Veja a principal vantagem: o produto político vive em outro mundo. E nesses dias de crise, sempre é bom ter à mão um extraterrestre para fugir da realidade.

E você, o povo, vai numa direção, o meu produto político vai noutra. Você diz “A”, ele entende “B”. Você vira para esquerda, ele segue em frente. Vai pela direita, ele resolve comer um sanduíche. Você coloca sua esperança na urna, mas o que sai é frustração sem controle.

O produto político tem uma linda moldagem e um pacote colorido. Embaixo do braço é uma beleza. Quando sobe num palanque agrada aos ouvidos. É bom de gogó. Pinta um país sete cores. Dá até vontade de levar para casa.

Na hora de abrir o pacote ninguém sabe o que vai sair. É só surpresa. É uma companhia para viver perigosamente. Aos solavancos, mas não vale reclamar no Procon.

Sabe como ninguém cuidar de si e quando pressionado, sabe muito bem chamar pela democracia, pelos direitos universais e fala em nome do povo, em meu e no seu nome.

A promoção black Friday da minha lojinha tem outros agregados. É possível ainda comprar comprar baixo preço a má gestão, o desperdício e o proselitismo. E de quebra pode levar de graça um cadinho de corrupção.

A lojinha já está aberta.

 


Rollemberg diz que não há decisão sobre ampliação do racionamento
Mensagem emocionante de quem construiu o Congresso
veja +
Parlamentares defendem ações e investimentos para a primeira infância
Para Perondi, governo enfrenta poderoso nicho de fiscais e Ministério Público do Trabalho
Eunício explica porque não leu o Projeto de Decreto do Trabalho Escravo
veja +