Sobre política e violência

autor André Pereira Cesar

Postado em 17/11/2016 10:41:18 - 10:34:00


Invasão no plenário da Câmara por extremistas/Luis Macedo/Agência Câmara

Episódio da Câmara tratou-se de um grupo desorganizado que apenas se uniu para fazer barulho

Na última quarta-feira, o Brasil assistiu a dois eventos de violência que explicitaram o nível de tensão vivida no país. No Rio de Janeiro, servidores estaduais cercaram a Assembleia Legislativa para defender seus direitos. Em Brasília, manifestantes invadiram a Câmara dos Deputados para apresentar uma "pauta" de reivindicações.

No caso do Rio de Janeiro, o protesto pode ser considerado legítimo, pois os servidores estaduais apenas lutam contra um pacote de medidas que afetará diretamente suas vidas. É do conhecimento geral que outros estados, em situação semelhante à do Rio, também precisarão implementar medidas duras, e novos confrontos são esperados. No caso, ao Poder Público será necessário manter o controle, para se evitar danos maiores no processo.

O episódio da Câmara foi diferente. Tratou-se de um grupo desorganizado que apenas se uniu para fazer barulho e solicitar "intervenção militar" para acabar com a "doutrinação comunista" supostamente em curso no Brasil. Apesar de cômica, a ação do grupo revela uma vertente ditatorial da sociedade brasileira e deve ser respondida à altura - com punição severa para os participantes.

A democracia brasileira e suas instituições são sólidas e, a princípio, não correm riscos. No entanto, é inegável que elas estão sendo desafiadas. Desse modo, espera-se serenidade por parte dos atores-chave envolvidos no processo. Do contrário, as conquistas das últimas décadas poderão ser perdidas. Esse é o quadro a se evitar.

 


Rollemberg diz que não há decisão sobre ampliação do racionamento
Mensagem emocionante de quem construiu o Congresso
veja +
Parlamentares defendem ações e investimentos para a primeira infância
Para Perondi, governo enfrenta poderoso nicho de fiscais e Ministério Público do Trabalho
Eunício explica porque não leu o Projeto de Decreto do Trabalho Escravo
veja +