A realidade atropela o mundo político

autor Gilmar Correa

Postado em 30/05/2016 23:24:31 - 23:19:00


Divulgação

Assim como os partidos, os políticos podem deixar de ser protagonistas

Já disse isso uma vez neste espaço. Os políticos estão completamente por fora da realidade. Acham que ainda é possível ajeitar as coisas da maneira que sempre fizeram.

Assim como as agremiações partidárias perderam seu espaço como articuladores, os políticos também estão sujeitos a perder o bonde da história.

O mundo está se transformando rapidamente e é bem possível que novos personagens e entidades apareçam como protagonistas. Ou já estão ocupando progressivamente este espaço deixado pela inércia política.

O mundo do faz de conta do Parlamento e dos governos construídos para atender a esta casta pode estar com os dias contados.

Embora tenham participado de alguma forma das manifestações recentes, a classe política tropeça diante da realidade.

Milhares de pessoas foram às ruas nos últimos dois anos. Registramos uma extraordinária multidão que pedia o impeachment de Dilma. E, muito mais que isso a moralidade pública.

Há uma manifestação diária nas redes sociais e pelo bem ou pelo mau, pessoas são capazes de enfrentar o sistema para denunciar, recriminar ou pedir mudanças profundas nas regras do jogo.

Mas com tudo isso, nossos governantes e parlamentares vivem no mundo da lua.

As eleições municipais de outubro tem tudo para mostrar que os tempos são outros. Corre-se o risco de um protesto único na História política no Brasil, quando os eleitores poderão rejeitar maciçamente o escrutínio e o candidato.

As manifestações dos últimos 24 meses podem definir um novo parâmetro para a política, com consequências surpreendentes.

Mas como os políticos vivem em mundo paralelo, talvez nem isso ainda os faça mudar e mudar o sistema que cai de podre.


Rollemberg diz que não há decisão sobre ampliação do racionamento
Mensagem emocionante de quem construiu o Congresso
veja +
Parlamentares defendem ações e investimentos para a primeira infância
Para Perondi, governo enfrenta poderoso nicho de fiscais e Ministério Público do Trabalho
Eunício explica porque não leu o Projeto de Decreto do Trabalho Escravo
veja +