Sucessão no Senado - risco controlado?

autor André Pereira Cesar

Postado em 11/11/2016 09:36:55 - 09:32:00


Eunício e Aécio durante trabalho da Comissão de Justiça/Arquivo

Senador Aécio Neves pode tentar uma estratégia “suicida” e bancar uma candidatura alternativa

No artigo anterior, falamos do processo sucessório na Câmara dos Deputados e dos potenciais riscos de uma candidatura do atual titular do cargo, o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ). Agora, analisaremos a situação no Senado Federal.

 A exemplo do que ocorre na Câmara, o Regimento Interno do Senado não permite a recondução do presidente na mesma Legislatura. No caso o presidente, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), jamais cogitou da possibilidade de disputar a reeleição. Isso não o impede, porém, de influenciar no pleito. E é exatamente isso que o senador alagoano está fazendo.

O senador alagoano trabalhou por meses para consolidar o nome de Eunício Oliveira (PMDB-CE) para ocupar a presidência da Casa a partir de fevereiro de 2017. Oliveira é um dos nomes fortes do PMDB no Senado e tem bom trânsito junto a seus pares, inclusive na oposição. Recentemente, ele relatou a polêmica proposta de emenda constitucional que estabelece um teto para os gastos públicos. Seu parecer manteve todos os dispositivos propostos pelo planalto e foi aprovado sem maiores problemas na Comissão de Constituição e Justiça do Senado.

Caminho livre e seguro para o peemedebista? A princípio sim, mas ele e seus aliados não podem descuidar de todos os detalhes. Um possível problema pode estar no PSDB. Para não sair como derrotado diante do governador Geraldo Alckmin (PDSB-SP), o senador Aécio Neves (PSDB-MG) pode tentar uma estratégia “suicida” e bancar uma candidatura alternativa – Antonio Anastasia (PSDB-MG) e Ricardo Ferraço (PSDB-ES) são os mais cotados.

Caso concretizada, essa hipótese (ainda remota mas comentada nos corredores do Congresso Nacional) tem potencial danoso para a base aliada. No caso, a divisão entre os aliados seria inevitável. O Planalto está ciente disso e trabalha para uma composição entre as partes. A pergunta é: teria Aécio Neves coragem e disposição política para tentar tal jogada?

O quadro ficará mais claro a partir do final do ano. Até lá, as conversas ganharão intensidade e outros nomes poderão surgir no tabuleiro. A oposição, por exemplo, ainda não se manifestou sobre o processo e seu posicionamento poderá ser muito importante.

O jogo apenas começou.

 


O brasileiro é criativo - Despacito no ritmo e versão do vendedor de bom bom
Deputado ataca Ciro e classifica o pré-candidato de racista e caloteiro
veja +
Aprovada reserva de vagas em universidades públicas para alunos bolsistas de escolas beneficentes
CCJ aprova doação de blindados do Exército brasileiro ao Uruguai
Projetos culturais do Distrito Federal recebem recursos
veja +