Não é a árvore, é a floresta

autor Maya Félix

Postado em 03/11/2016 08:23:37 - 08:20:00


Manifestação de alunos no Distrito Federal/Arquivo/Sinpro-DF

O PT de hoje busca influenciar a juventude infiltrando-se em escolas e universidades

Que o Partido dos Trabalhadores foi o maior derrotado destas eleições, isso é fato. Ganhou apenas a prefeitura de Rio Branco, capital do estado do Acre. Já em São Paulo, perdeu todas as disputas. Isso é preocupante para os petistas, pois o estado é o reduto histórico do PT, onde o PT foi fundado, cresceu, ganhou força e de onde se projetou para o Brasil.

Muitos têm comemorado o “fim” de um partido que caiu nas graças do povo exaltando a ética na política, afirmando ser diferente, prometendo mudar o Brasil quando “chegasse lá” , mas que, quando o fez, agiu exatamente ao contrário de tudo o que afirmava.

Há os céticos de desde sempre, que afirmam que sempre reconheceram nas ideias do PT o germe do totalitarismo, o embrião dos princípios anticonservadores e antidemocráticos que o nortearam desde sua fundação: a legalização do aborto, o avanço da política da igualdade de “gêneros”, que daria origem à ideologia de gênero, o incentivo à legalização das drogas, a adoração ao regime cubano e uma série de outros pontos que escandalizam a maioria esmagadora da sociedade brasileira que é, sim, conservadora.

O PT de hoje, ciente de sua derrocada, tem tentado se reconstruir por meio de alguns mecanismos que talvez ainda não estejam claros. Primeiro, busca influenciar a juventude mediante políticas culturais e aparentemente apartidárias, infiltrando-se intensamente em escolas e universidades com organismos não claramente partidários, mas que por trás fazem parte da estrutura partidária do PT (e de outros partidos de esquerda Levante Popular da Juventude, ANEL, UJS, Abre-Alas etc.).

Isso já existia há 30 anos, e continua existindo, e é um dos meios mais eficazes de cooptação política. Importantes quadros partidários já foram cooptados e formados nesses organismos, como Lindbergh Farias e Orlando Silva.

Outro meio de cooptação é o uso da máquina sindical, mas alguns trabalhadores começam a questionar os sindicatos que em tese os representam, não só pelas altas somas de dinheiro envolvidas em sua organização como também pelo uso partidário de sua máquina administrativa. Entretanto, a PEC 241 tem dado fôlego extra a essa estratégia, sobretudo aos professores-militantes, que usam e abusam de suas prerrogativas quando se trata de cooptar alunos para fins partidários.

O que ninguém talvez tenha compreendido é que o PT de fato é um dos partidos mais corruptos que já existiram na história contemporânea do Brasil, mas ele não é o único: tem cúmplices, que corroboram suas ideias, adotam suas práticas e esperam o momento de ser o “PT da vez”.

Estão mais vivos do que nunca o PCdoB, o PDT, o PSB, o PSOL, a REDE, o PPS, o PV, o PCB etc. Todos eles acreditam em um Estado gigantesco, na cobrança abusiva de impostos, no uso da máquina pública para atender a objetivos partidários, no Foro de São Paulo e numa agenda “libertária” que mais de 80% da população brasileira repudiam.

Ou seja, enquanto continuamos a olhar a árvore, a floresta segue crescendo.

 


Repórter se disfarça de mendigo para pedir um abraço. Veja as reações
Evacuação na Câmara dos Deputados. É só treinamento
veja +
Jucá está confiante que minirreforma eleitoral será aprovada após ajustes
Eunício diz que pauta do Senado é do Brasil e não paralisará
Marco Tebaldi diz que lei favorece o livre comércio
veja +