A equação não é tão simples para 2018

autor Gilmar Correa

Postado em 31/10/2016 09:14:13 - 09:08:00


São cada vez piores os serviços públicos/Mosaico/Antonio Riccitelli

O eleitorado está insatisfeito com o sistema partidário e mostrou com as abstenções o nível do incon

Passadas as eleições municipais, as contas são feitas pelos partidos políticos. Quem ganhou, quem perdeu e como foi o pleito. Daí, soma-se tudo e se faz uma projeção do que pode acontecer nos próximos dois anos, Nunca se falou tanto numa eleição dentro de outra.

Para os políticos, a matemática para 2018 passou por 2016. Mas no mundo real a equação não é tão cristalina. Dois mais dois não são quatro e a variável é quase sempre mais importante que a lógica.

Começa pela grande insatisfação do eleitorado. O sistema - já se disse aqui algumas vezes - está podre. Se o voto não fosse obrigatório, a participação no pleito seria uma tragédia.

Mesmo com o voto obrigatório, 21,55% do eleitorado não compareceram no domingo para votar. Ou seja, de 32,9 milhões de pessoas que deveriam comparecer nas urnas no segundo turno, 7 milhões ficaram em casa. A atitude não foi um despeito com a democracia como fizeram os ex-presidentes Lula da Silva e Dilma Rousseff, porque seus candidatos não estavam na disputa.

A ausência do eleitorado caracteriza um protesto na sua essência, porque a política partidária como está posta não atende aos interesses populares.

A presença de candidatos não representa o apoio popular. Veja no Rio de Janeiro. A abstenção na capital fluminense chegou a 26,85% (1,3 milhão de faltantes) e foram registrados 569,4 mil votos nulos (15,90% do total).

A soma de nulos e abstenções no Rio foi maior que a votação obtida pelo segundo colocado na disputa pela prefeitura, Marcelo Freixo (PSol), que teve 1,1 milhão de votos. O prefeito eleito, Marcelo Crivella (PRB), recebeu 1,7 milhão de votos. O total de votos brancos no município chegou a 149,8 mil.

Pensar em 2018 requer um exercício de realidade. As regras precisam mudar. Até os políticos falam nisso. Mas falar e realizar há uma grande distância.

Quilômetros de distância há entre as promessas de campanha e a gestão pública. A massa falida do serviço público atrasa o desenvolvimento e são cada vez piores os serviços exigidos pela população. Na contramão, a cobrança de impostos abusa da paciência diante de um caos generalizado.

Os políticos, os partidos e os gestores públicos vão precisar realizar muito mais do que que fazer as contas para 2018. Que estas eleições sirvam de algum ensinamento.


Rollemberg diz que não há decisão sobre ampliação do racionamento
Mensagem emocionante de quem construiu o Congresso
veja +
Parlamentares defendem ações e investimentos para a primeira infância
Para Perondi, governo enfrenta poderoso nicho de fiscais e Ministério Público do Trabalho
Eunício explica porque não leu o Projeto de Decreto do Trabalho Escravo
veja +