O governo e o teto para os gastos públicos - êxito total ou vitória menor?

autor André Pereira Cesar

Postado em 26/10/2016 10:05:56 - 10:00:00


Ministro Henrique Meirelles foi o mentor da PEC 241/Arquivo/Reprodução

Mesmo dentro do Planalto há certa desconfiança sobre a capacidade da emenda para solução da crise

Sem entrar no mérito da questão, é inegável que a proposta de emenda constitucional que estabelece um teto para os gastos públicos (PEC 241/16) avança com relativa celeridade no Congresso Nacional. A larga margem de votos favorável à matéria registrada no segundo turno da Câmara dos Deputados reforça essa percepção. Mas será que o Planalto pode comemorar com fogos as vitórias até aqui conquistadas?

Sob a ótica favorável ao governo, a tramitação da PEC na Câmara dos Deputados fala por si só. A matéria passou com tranquilidade nas duas comissões pelas quais tramitou – Comissão de Constituição e Justiça e Comissão Especial – e, em plenário, foi aprovada sem sustos. No primeiro turno foram 366 votos favoráveis e 111 contrários; no segundo, 359 a 116. Além disso, todos os destaques apresentados pela oposição foram rejeitados e o texto final saiu no formato ideal para o Planalto. Vitória expressiva do governo, portanto.

Porém, sob a ótica desfavorável ao governo, a situação não é tão cristalina. Em primeiro lugar, há uma forte pressão de diversos setores da sociedade contrários à matéria. Esses setores têm se utilizado de parte da grande imprensa, de redes corporativas e de redes sociais para divulgarem sua mensagem.

Essa pressão deve aumentar a partir de agora. Mesmo dentro do Planalto há certa desconfiança sobre a capacidade da emenda, uma vez aprovada e em vigor, encaminhar de fato soluções para a crise econômica em curso. Sozinha, seria ela a “panacéia” para os problemas brasileiros ou seriam necessárias outras medidas adicionais, como uma (improvável) reforma da Previdência, para surtir efeitos concretos? A dúvida incomoda o núcleo político e a equipe econômica.

De todo modo, a bola estará agora com o Senado Federal. Nessa etapa, toda uma nova rodada de negociações se fará necessária – a negociação com os senadores é diferente daquela realizada com os deputados.

No caso do Senado Federal, especificamente, a atual crise entre o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o Judiciário, por conta da Operação Métis da Polícia Federal (que apura uma suposta tentativa de interferência da Polícia do Legislativo na Operação Lava Jato), certamente contaminará o processo de discussão da PEC. Trata-se de um elemento que entrou em cena nos últimos dias e, portanto, não estava no radar dos operadores políticos do Planalto.

Para se utilizar de um chavão, o governo venceu a partida na Câmara, mas o campeonato continua a ser disputado. Um eventual tropeço no Senado poderá ser fatal para o governo Temer.

 


Guga Kuerten diz que cortar dinheiro do esporte das crianças é ato de desespero
Forró e festa junina no gabinete do vice-presidente da Câmara
veja +
Comissão aprova criação de creches para filhos de agentes de segurança pública
Especialistas sugerem contratação de mais aprendizes pelo poder público
Aplicativo Sine Fácil ajuda 2,7 desempregados no Distrito Federal
veja +