Senadores engavetaram CPI de Mariana há um ano

autor Misto Brasília

Postado em 30/09/2016 10:44:58 - 10:40:00


Discurso político sobre desastre em Mariana virou pó no Senado/Arquivo/JornalGGN

Nenhum passo foi dado para instalar a comissão para apurar o maior desastre ecológico do Brasil

A influência econômica e política barra por um ano a criação da CPI das Barragens, que poderia apurar as causas do maior desastre ambiental da História do Brasil. No dia 5 de novembro de 2015 uma enxurrada de lama matou 17 pessoas e destruiu o patrimônio cultural e histórico a partir do Distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG).

Apesar da gravidade, a devastação do rio Doce não sensibilizou os senadores. A proposta aguarda há um ano a indicação de membros para instalação da comissão no Senado, mas manobras entre partidos e políticos beneficiados por doações em campanhas eleitorais barram a exposição criminosa patrocinada pela empresa Samarco, controlada pela Vale e pela BHP Billiton.

A CPI teve o apoio de 47 senadores, mas de fato nada aconteceu. Nenhum líder de bancada indicou seus membros. Resumindo: os parlamentares só falaram para a mídia.

O site MundoEducação lembra que o acidente em Mariana liberou cerca de 62 milhões de metros cúbicos de rejeitos de mineração, que eram formados, principalmente, por óxido de ferro, água e lama. Apesar de não possuir, segundo a Samarco, nenhum produto que causa intoxicação no homem, esses rejeitos podem devastar grandes ecossistemas.

 


Moradores fazem panelaço durante pronunciamento de Temer no domingo
Apoio à greve dos caminhoneiros leva milhares às ruas neste domingo
veja +
Começa nesta sexta-feira o Feirão da Caixa em Brasília
Vacinação contra a aftosa continua no Distrito Federal até o final do mês
Barroso explica obrigação dos partidos em reservar 30% do fundo eleitoral para candidatas
veja +