O Estado elefante que não entra no debate

autor Maya Félix

Postado em 28/09/2016 08:36:14 - 08:31:00


Um dos símbolos das manifestações populares que mexeram com o Brasil/Arquivo/Divulgação

Estamos acostumados a ver empresários como vilões, mas são eles que inovam, empreendem e promovem

Outro dia vi, numa propaganda política na TV, crítica de um candidato a prefeito a um concorrente que, segundo o candidato, devia milhares de reais em impostos. É claro, sonegação é um erro, mas o candidato cheio de moral e defensor da cobrança abusiva de impostos não se lembra de dizer à população que os empresários são os maiores criadores de empregos do país, apesar de serem extorquidos pelo Estado com tantos tributos.

Estamos acostumados a ver empresários como vilões, mas são eles que inovam, empreendem, promovem pesquisas (sim, visando ao lucro, e isso é ótimo!), trazem modernização. Enquanto insistirmos em pensar que cabe ao Estado ocupar-se de setores industriais e comerciais de que hoje se ocupa, estaremos alimentando um gigante voraz e corrupto, que devora impostos de quem mais produz e trabalha.

Pior: quando é o Estado que gera o emprego que cabe à iniciativa privada, ele mesmo cria, via de regra, empregados acomodados, que podem se tornar parasitas fartamente assalariados e sindicalizados, como vemos aos quilos no Brasil. É claro, há empregados do Estado competentes, mas há os que, protegidos por uma legislação que desestimula a meritocracia, sabem que basta respirar para receber o bom salário gerado pelo bolso do pagador de impostos.

Ninguém questiona, em programas e debates políticos, o porquê de um empresário pagar um valor abusivo para contratar e manter um empregado, por exemplo. Ou quais as razões de se pagar valores astronômicos de IPTU para ter uma rua esburacada. Ou se faz sentido ser obrigado a pagar taxa de iluminação pública para montar uma empresa em uma rua sem iluminação que preste. Os políticos simplesmente não discutem o absurdo de um Estado ineficiente, superlotado de cargos e corrupto, que oferece quase nada em comparação ao muito que arrecada.

Mesmo municípios considerados de baixo IDH, como São Luis do Maranhão, arrecadam muito e gastam o mínimo com o que de fato interessa. Por quê?

Meu palpite: entre outras razões, porque empregam muitas pessoas, em muitos cargos comissionados. O Estado é inchado porque “gera renda” para correligionários, amigos, parentes etc. É óbvio que essa não é a função do Estado, que precisa diminuir drasticamente para funcionar de verdade. Enquanto insistirem no gigantismo estatal, qualquer pracinha que um prefeito faça parecerá uma grande obra.

 


Rollemberg diz que não há decisão sobre ampliação do racionamento
Mensagem emocionante de quem construiu o Congresso
veja +
Parlamentares defendem ações e investimentos para a primeira infância
Para Perondi, governo enfrenta poderoso nicho de fiscais e Ministério Público do Trabalho
Eunício explica porque não leu o Projeto de Decreto do Trabalho Escravo
veja +