Sobre a fala de Dilma no Senado Federal

autor André Pereira Cesar

Postado em 29/08/2016 11:20:07 - 11:14:00


Dilma durante discurso no Senado/Edilson Rodrigues/Agência Senado

Análise dos principais pontos do discurso proferido há pouco no plenário do julgamento do impeachmen

Conforme o esperado, a fala da presidente afastada Dilma Rousseff no Senado Federal concentrou todas as atenções do mundo político. A defesa da petista dividiu posições e, agora, resta a conclusão do processo de impeachment. Abaixo, um resumo do que disse Dilma.

- o discurso foi mais político do que emocional. Ela defendeu sua gestão, reconheceu alguns erros, mas rebateu a maior parte das críticas que recebeu.

- Dilma afirmou que trabalhou por um Brasil soberano e sem injustiça. Disse ainda que a jornada do processo de impeachment a aproximou ainda mais do povo.

- em um rápido apanhado da história brasileira, ela citou Getúlio Vargas e falou de sua militância no período do regime militar, inclusive das torturas sofridas.

- a presidente afastada insistiu na tese do golpe, falou no risco de uma “ruptura democrática” e chamou o governo Temer de “usurpador”. “Quem afasta presidente pelo conjunto da obra é o povo”, disse.

- ela criticou ainda o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB/RJ), que teria instalado o processo de impeachment e clima de “chantagem”, e a mídia em geral.

- Dilma defendeu os créditos suplementares por ela assinados e disse que, sem eles, o ano fiscal de 2015 teria se encerrado em julho daquele ano.

- chamou a atenção o abatimento do ex-presidente Lula, que acompanha o evento dentro do plenário.

- a conclusão, por ora, é a de que o discurso de defesa tem poucas chances de resultar em uma mudança significativa dos votos dos senadores. As chances da petista ser reconduzida ao Planalto são reduzidas.

 


Caiado quer acabar com o horário político de rádio e televisão
Duarte Nogueira diz que aeroporto de Ribeirão Preto será reformado
veja +
Marco Aurélio diz ser necessário observar a legislação pátria
Pagar ou não pagar universidade pública, eis a questão
Eunício adia sessão do Congresso para votação da reforma política
veja +