Sobre a fala de Dilma no Senado Federal

autor André Pereira Cesar

Postado em 29/08/2016 11:20:07 - 11:14:00


Dilma durante discurso no Senado/Edilson Rodrigues/Agência Senado

Análise dos principais pontos do discurso proferido há pouco no plenário do julgamento do impeachmen

Conforme o esperado, a fala da presidente afastada Dilma Rousseff no Senado Federal concentrou todas as atenções do mundo político. A defesa da petista dividiu posições e, agora, resta a conclusão do processo de impeachment. Abaixo, um resumo do que disse Dilma.

- o discurso foi mais político do que emocional. Ela defendeu sua gestão, reconheceu alguns erros, mas rebateu a maior parte das críticas que recebeu.

- Dilma afirmou que trabalhou por um Brasil soberano e sem injustiça. Disse ainda que a jornada do processo de impeachment a aproximou ainda mais do povo.

- em um rápido apanhado da história brasileira, ela citou Getúlio Vargas e falou de sua militância no período do regime militar, inclusive das torturas sofridas.

- a presidente afastada insistiu na tese do golpe, falou no risco de uma “ruptura democrática” e chamou o governo Temer de “usurpador”. “Quem afasta presidente pelo conjunto da obra é o povo”, disse.

- ela criticou ainda o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB/RJ), que teria instalado o processo de impeachment e clima de “chantagem”, e a mídia em geral.

- Dilma defendeu os créditos suplementares por ela assinados e disse que, sem eles, o ano fiscal de 2015 teria se encerrado em julho daquele ano.

- chamou a atenção o abatimento do ex-presidente Lula, que acompanha o evento dentro do plenário.

- a conclusão, por ora, é a de que o discurso de defesa tem poucas chances de resultar em uma mudança significativa dos votos dos senadores. As chances da petista ser reconduzida ao Planalto são reduzidas.

 


Arthur Maia aceita proposta de servidores para facilitar aprovação da reforma
Maia anuncia a nova data de votação da reforma da Previdência
veja +
Nilson Leitão vai liderar a bancada do PSDB no próximo ano
Rodrigo Maia diz que a "sociedade" concorda que é necessário a reforma na Previdência
Zarattini disse que adiar votação da reforma da Previdência é uma derrota do governo
veja +